Vencedor do Tour renova com a Sky

O galês Geraint Thomas, vencedor da edição 2018 da Volta a França em bicicleta, renovou por três anos o seu contrato com a Sky, anunciou este domingo a equipa britânica de ciclismo.

"Estou contente por renovar com a Sky, equipa em que tive uma grande trajetória, especialmente nos últimos meses, que foram uma loucura. Estou muito bem e entusiasmado com o que aí vem", disse Thomas, de 32 anos, em declarações ao sítio da equipa.

Thomas, de 32 anos, afirmou que na Sky sente-se "como em casa", lembrando que conhece Dave Brailsford, o diretor da equipa, "desde os 17 anos", pelo que é "espetacular continuar a trabalhar com ele e com o resto da equipa".

O galês teve também uma palavra para os adeptos: "O seu apoio tem sido fenomenal e cresce ano após ano. São os melhores adeptos que posso ter. Não posso agradecer o suficiente, face ao seu apoio na estrada e nas redes sociais".

Geraint Thomas, que venceu em junho o Critérium du Dauphiné, tornou-se o primeiro galês a ganhar o Tour e o terceiro britânico, depois de Bradley Wiggins (2012) e Chris Froome (2013, 2015, 2016 e 2017), também ao serviço da Sky.

"O que Geraint conseguiu com esta equipa é extraordinário, é uma história brilhante. Esteve connosco desde o começo da equipa e continua a melhorar de ano para ano. Fez muitos sacrifícios para chegar ao topo e demonstrar o seu valor", disse, por seu lado, o direto da Sky, Dave Brailsford.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.