China: Vítor Pereira vence, Talisca marca e Paulo Sousa empata

O Shangai SIPG, treinado pelo antigo treinador do FC Porto continua a três pontos da liderança, ex-jogador do Benfica também ganhou e fez um grande golo. O Tianjin Quanjian de Sousa somou quaro jogo sem triunfar

Vítor Pereira e o Shangai SIPG continua a pensar no título chinês. A formação comandada pelo ex-FC Porto bateu o Guangzhou R&F por 3-1 com um bis de Wu Lei e outro golo de Lu Wenjun. O brasileiro Hulk fez a assistência para o bis de Wu Lei.

O Shanghai SIPG está a três pontos do líder Beijing Guoan que tinha goleado na véspera o Dalian Yifang, formação onde atua Gaitán e com a qual José Fonte rescindiu recentemente.

Com menos três pontos que o Shanghai SIPG de Vítor Pereira está o atual campeão Guangzhou Evergrande que goleou fora de casa o Henan Jianye por 5-0. Talisca fez o primeiro golo, num excelente remate que pode ver abaixo, e ainda ofereceu o 0-2 a Gao Lin.


Finalmente o Tianjin Quanjian de Paulo Sousa, que empatou em casa, sem golos, diante do Tianjin Teda que foi, em tempos, treinado por Jaime Pacheco. Foi o quarto jogo sem ganhar por parte da equipa orientada pelo antigo internacional português que está atualmente posicionada no 9.º lugar, com 23 pontos, a 16 da liderança e mais sete ue a primeira equipa abaixo da zona de despromoção.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".