China: Vítor Pereira vence, Talisca marca e Paulo Sousa empata

O Shangai SIPG, treinado pelo antigo treinador do FC Porto continua a três pontos da liderança, ex-jogador do Benfica também ganhou e fez um grande golo. O Tianjin Quanjian de Sousa somou quaro jogo sem triunfar

Vítor Pereira e o Shangai SIPG continua a pensar no título chinês. A formação comandada pelo ex-FC Porto bateu o Guangzhou R&F por 3-1 com um bis de Wu Lei e outro golo de Lu Wenjun. O brasileiro Hulk fez a assistência para o bis de Wu Lei.

O Shanghai SIPG está a três pontos do líder Beijing Guoan que tinha goleado na véspera o Dalian Yifang, formação onde atua Gaitán e com a qual José Fonte rescindiu recentemente.

Com menos três pontos que o Shanghai SIPG de Vítor Pereira está o atual campeão Guangzhou Evergrande que goleou fora de casa o Henan Jianye por 5-0. Talisca fez o primeiro golo, num excelente remate que pode ver abaixo, e ainda ofereceu o 0-2 a Gao Lin.


Finalmente o Tianjin Quanjian de Paulo Sousa, que empatou em casa, sem golos, diante do Tianjin Teda que foi, em tempos, treinado por Jaime Pacheco. Foi o quarto jogo sem ganhar por parte da equipa orientada pelo antigo internacional português que está atualmente posicionada no 9.º lugar, com 23 pontos, a 16 da liderança e mais sete ue a primeira equipa abaixo da zona de despromoção.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.