Chiellini regressa à convocatória de Itália que tem cinco estreantes

O selecionador Roberto Mancini divulgou a lista de 31 jogadores para os jogos com a Polónia e Portugal para a Liga das Nações

O defesa-central Chiellini está de regresso aos convocados da seleção italiana, para os jogos com Polónia e Portugal, da Liga das Nações. O jogador da Juventus esteve ausente dos play offs de acesso ao Mundial 2018 diante da Suécia, que ditou a eliminação da squadra azzurra.

Da primeira lista divulgada pelo selecionador Roberto Mancini constam ainda cinco estreantes: o guarda-redes Cragno (Cagliari), os defesas Biraghi (Fiorentina) e Lazzari (SPAL), o médio Zaniolo (Roma) e o avançado Pellegri (Mónaco).

A Itália recebe a Polónia na próxima sexta-feira, em Bolonha, no primeiro jogo do Grupo 3 da Liga das Nações, e defronta Portugal, em 10 de setembro, no Estádio da Luz, em Lisboa.

Na lista alargada a 31 jogadores, destaque ainda para a presença do avançado Mario Balotelli (Nice), que já integrou a squadra azzurra nos três jogos particulares disputados em junho, e para a ausência do lesionado Marco Verratti (Paris Saint-Germain).

Eis a lista dos 31 convocados:

Guarda-redes: Alessio Cragno (Cagliari), Gianluigi Donnarumma (AC Milan), Mattia Perin (Juventus) e Salvatore Sirigu (Torino);

Defesas: Cristiano Biraghi (Fiorentina), Leonardo Bonucci (Juventus), Mattia Caldara (AC Milan), Giorgio Chiellini (Juventus), Domenico Criscito (Génova), Emerson Palmieri (Chelsea), Manuel Lazzari (SPAL), Alessio Romagnoli (AC Milan), Daniele Rugani (Juventus) e Davide Zappacosta (Chelsea);

Médios: Nicolò Barella (Cagliari), Marco Benassi (Fiorentina), Bryan Cristante (Roma), Roberto Gagliardini (Inter Milão), Jorginho (Chelsea), Lorenzo Pellegrini (Roma) e Nicolò Zaniolo (Roma);

Avançados: Mario Balotelli (Nice), Andrea Belotti (Torino), Domenico Berardi (Sassuolo), Federico Bernardeschi (Juventus), Giacomo Bonaventura (AC Milan), Federico Chiesa (Fiorentina), Ciro Immobile (Lazio), Lorenzo Insigne (Nápoles), Pietro Pellegri (Mónaco) e Simone Zaza (Torino).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.