Chelsea impõe primeira derrota ao Manchester City na Premier League

Equipa de Pep Guardiola perde a invencibilidade e também a liderança, após derrota por 2-0 em Londres. Liverpool fica isolado no topo

Maurizio Sarri já pode responder à pergunta que tinha deixado sem resposta na conferência de imprensa de antevisão do Chelsea-Manchester City. "Como se consegue vencer o City de Guardiola? Eu não sei. Eu perdi todas as partidas contra ele, por isso não sei como vencê-los. Você deve perguntar a outra pessoa", disse então o técnico italiano do Chelsea.

Este sábado, no entanto, a sua equipa encontrou a fórmula de bater a formação de Guardiola e impor ao Manchester City a primeira derrota nesta edição da Premier League, por 2-0. O jogo até começou com intenso domínio do campeão inglês, a fazer perspetivar mais um desfecho complicado para o técnico italiano do Chelsea, mas as coisas mudaram de figura muito perto do intervalo, quando N'Golo Kanté deu vantagem à equipa da casa praticamente na primeira oportunidade de que dispôs, aos 45 minutos.

Em vantagem no marcador, o Chelsea melhorou na segunda parte e conseguiu frustrar a tentativa de reação do Manchester City. David Luiz, aos 78 minutos, na sequência de um lance de bola parada, marcou de cabeça o segundo golo dos londrinos e carimbou a primeira derrota da equipa de Pep Guardiola no campeonato.

Além da invencibilidade, o Manchester City perdeu também a liderança, onde agora está isolado o Liverpool, que goleou o Bournemoutjh por 4-0 e se mantém como única equipa invicta desta Premier League, com 42 pontos

Para o Chelsea, que a meio da semana tinha perdido na deslocação ao terreno do Wolverhampton, de Nuno Espírito Santo, por 2-1, os três pontos permitem-lhe manter-se a par do Arsenal no terceiro lugar, com 34 pontos, agora a sete pontos do Manchester City e a oito do líder Liverpool.

Jogos da 16.ª jornada

Bournemouth 0 - 4 Liverpool
Arsenal 1-0 Huddersfield Town
Burnley 1-0 Brighton & Hove Albion
Cardiff City 1-0 Southampton
Manchester United 4-1 Fulham
West Ham United 3-2 Crystal Palace
Chelsea 2- 0 Manchester City
Leicester City - Tottenham Hotspur, sábado, 19.45
Newcastle United - Wolverhampton Wanderers, domingo, 16.00
Everton - Watford, segunda-feira, 20.00

Pode consultar a classificação da liga inglesa aqui

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.