Chelsea e Watford apanham Liverpool na liderança da Premier League

Chelsea e Watford, que este domingo vencedores dos seus jogos da terceira jornada, apanharam o Liverpool no topo da liga inglesa com nove pontos

Destaque para o triunfo do Chelsea em Newcastle, por 2-1, concretizado a três minutos apenas do final, enquanto o Watford recebeu e venceu o Crystal Palace, também por 2-1.

O trio da frente ainda pode ser alcançado na segunda-feira pelo Tottenham, caso os spurs saiam vitoriosos do clássico contra o Manchester United, a equipa orientada por José Mourinho.

Em St. James Park, só houve golos no final de um encontro em que o Chelsea foi muito mais pressionante. O belga Eden Hazard adiantou os londrinos, de grande penalidade, aos 76 minutos. Aos 83, o espanhol Joselu empatou e, aos 87, um lance infeliz do lateral norte-americano Yedlin redundou no autogolo que fixou o 2-1 para o Chelsea.

Em Watford, os hornets chegaram aos 2-0, com golos do argentino Pereyra, aos 53, e do grego Holebas, aos 71. Reduziu o Crystal Palace, aos 78, golo do costa-marfinense Zaha.

Também este domingo, o Fulham somou os primeiros pontos, ao ganhar por 4-2 ao Burnley. Destaque para o sérvio Mitrovic, a bisar, e para a estreia a marcar do alemão Schurle, que o Borussia Dortmund emprestou ao Fulham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.