Celta de Miguel Cardoso sofre quarta derrota seguida

O Valência foi vencer a Vigo por 2-1, enquanto o Atlético de Madrid arrancou uma goleada em Huesca

O Celta de Vigo, treinado por Miguel Cardoso, sofreu este sábado a quarta derrota consecutiva na Liga espanhola. O carrasco foi, desta vez, o Valência que venceu por 2-1, em partida da 19.ª jornada.

Os galegos até estiveram a vencer graças a um golo de Nestor Araujo já perto do intervalo, mas no segundo tempo os valencianos deram a volta ao marcador com golos de Ferran Torres e Rodrigo Moreno.

Com este resultado, Miguel Cardoso pode ver a sua equipa cair para a zona de despromoção nesta jornada, bastando para isso que o Rayo Vallecano consiga vencer, em casa, a Real Sociedad. Já o Valência, que não contou com o lesionado Gonçalo Guedes nem com Rúben Vezo, encontra-se, à condição, no sétimo lugar com 26 pontos.

No outro jogo do dia, o Atlético de Madrid, sem Gelson Martins, foi a Huesca golear o último classificado por 3-0, com golos de Lucas Hernandez, Santiago Arias e Koke. Os colchoneros mantém-se no segundo lugar a dois pontos do Barcelona que joga este domingo, em casa, com o Leganés.

Resultados da 20.ª jornada

Getafe-Alavés, 4-0
Real Madrid-Sevilha, 2-0
Huesca-Atletico de Madrid, 0-3
Celta Vigo-Valência, 1-2

Este domingo
Betis-Girona
Villarreal-Athletic Bilbau
Rayo Vallecano-Real Sociedad
Levante-Valladolid
Barcelona-Leganés

Segunda-feira
Eibar-Espanyol

Veja aqui a classificação da Liga espanhola

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.