Catamarãs voadores batem recordes de velocidade em Cascais

O quarto circuito do campeonato mundial Extreme Sailing Series, este fim de semana, em Cascais, ficou marcado por condições de vento e velocidades inéditas.

Um barco à vela com dez metros de comprimento a navegar a 70 km/hora? Sim, aconteceu este fim de semana, na baía de Cascais, no quarto circuito campeonato mundial Extreme Sailing Series.

O barco é o catamarã G32, um duplo casco com patilhões basculantes em forma de L ("foils"), que têm na água o mesmo efeito que têm no ar os "flaps" da asa de um avião: içam ambos os cascos e fazem o barco como que planar, diminuindo-lhe assim o atrito e com isso aumentando-lhe a velocidade para, neste caso, quase o quadruplo do seu comprimento (fazendo-se a comparação em nós).

A equipa que o conseguiu foi a SAP Extreme, com o neozelandês Adam Minoprio ao leme. O recorde estava em 36 nós/hora (66,7 km/hora), estabelecido na Austrália, em 2016, pelo Red Bull Sailing Team, equipa liderada pelo austríaco Roman Hagara. Na 10ª das 28 regatas cumpridas nos quatro dias do circuito de Cascais da Extreme Sailing Series, o SAP Extreme largou absolutamente disparado e logo aí bateu o recorde, velejando a 36,4 nós (67,4 km/hora). Mas com um ângulo perfeito para o vento, mar calmo e rajadas a atingirem os 27 nós (50 km/hora), o catamarã continuou a aumentar de velocidade, atingindo uns impensáveis 37,9 nós. Ou seja: 70,19 km/hora.

Quando chegou a terra, findo o dia de regatas, Adam Minoprio era todo sorrisos. "Foram regatas muito intensas. Estava realmente muito vento e com muitas rajadas. Só temos de continuar assim."

Bater recordes de velocidade não serviu no entanto à equipa SAP Extreme - onde pontifica como chefe da equipa de terra o português Renato Conde - para vencer o circuito português. A equipa Alinghi - que também tem um chefe de terra português, João Cabeçadas - comandou todo o circuíto, do princípio ao fim, reforçando a liderança do campeonato (faltam três provas para terminar: Cardiff, San Diego e Los Cabos, no México).

Entre as sete equipas participantes esteve uma portuguesa, em modo "wild card", que acabou em último lugar.

Classificação Cascais

1º Alinghi 12 pts

2º SAP Extreme 11

3º INEOS Rebels 10

4º Oman Air 9

5º Red Bull 8

6º Team Mexico 7

7º Team Portugal 6

Classificação geral

1º Alinghi 45 pts

2º SAP Extreme 44

3º Oman Air 41

4º INEOS Rebels 37

5º Red Bull 33

6º Team Mexico 27

7º NZ Extreme 7

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.