Caso dos emails: PGR diz que Paulo Gonçalves é o único arguido

A Procuradoria-Geral da República esclareceu o DN que há apenas um arguido constituído no processo, o ex-assessor jurídico do Benfica, Paulo Gonçalves

O gabinete de Joana Marques Vidal garante ao DN que o presidente do Benfica não é arguido no caso dos e-mails, ao contrário do que acontece com Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do clube.

Num primeiro momento, num esclarecimento enviado ao DN, a PGR informou que o processo tinha apenas "um arguido constituído" e que não se tratava de "nenhuma das pessoas mencionadas na notícia" publicada esta terça-feira pelo Correio da Manhã, na qual era dito que Luís Filipe Vieira era arguido, há quase um ano, por corrupção desportiva do caso dos e-mails, juntamente com Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do Benfica acusado no âmbito do processo e-Toupeira, Pedro Guerra, comentador desportivo ligado ao clube da Luz, e Adão Mendes, ex-árbitro de futebol.

Mais tarde, a PGR fez chegar um novo esclarecimento onde clarificou que o arguido no processo é Paulo Gonçalves.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.