Casillas, o treinador

Casillas diz que seria bom poder transmitir todo o conhecimento acumulado como treinador, talvez "exigente, muito exigente" como diz de Sérgio Conceição, quando abandonar a carreira, que de momento prossegue no FC Porto

"Sérgio é um treinador exigente, muito exigente", começa por dizer Iker Casillas, em entrevista publicada este sábado pelo Expresso, sobre a relação com o treinador Sérgio Conceição. "Quer o melhor dos seus jogadores, quer que deem 100 por cento, ou melhor, 120 por cento, porque estamos num clube que exige", analisou.

"As 50 mil pessoas que enchem o estádio exigem que o clube seja campeão, então, a cadeia é simples: os adeptos exigem ao presidente, ele coloca um treinador, exige-lhe o melhor para as pessoas, e o treinador, por sua vez, exige aos jogadores que deem 120 por cento no campo. As coisas podem sair mal ou bem, mas tens o estímulo de tentar fazer as coisas como ele quer. Parece-me bem", avalia o guarda-redes.

"Sérgio Conceição, a mim, que tenho 37 anos, beneficiou-me. (...) Exige que tenhas um peso e uma alimentação, porque controlo mais o meu físico", agradece o espanhol", confessa.

Consciente de que aos 37 anos não vai durar eternamente como jogador, Iker já pensa em ser treinador. "Treinador de guarda-redes? Não. Se queres ser treinador, não deves treinar só guarda-redes, tens de passar o teu conhecimento a todos os jogadores. Tive a sorte de ter já passado por muito e seria bom transmití-lo", admitiu.

"Sei que não tenho mais 10 anos pela frente, acho que não posso jogar até aos 47. Aliás, quando tinha 17 achava que ia jogar até aos 27, depois até aos 32. Agora é aproveitar", observou.

O guarda-redes ex-Real Madrid também abordou a relação tensa com José Mourinho, que o orientou no Bérnabeu. "Não foi a pior altura da minha carreira. Os momentos em que não conquistas um troféu, uma liga ou uma Champions, doem muito mais. Doem-te a ti e ao adepto. As polémicas que tive com Mourinho já estão saldadas. É um tema que, depois de cinco ou seis anos... não deves falar mais sobre isso, porque já é absurdo. Com ele conquistei uma liga, uma Taça do Rei ao Barcelona, uma Supertaça de Espanha. Há que ficar com as coisas boas, porque as más não servem a ninguém", encerrou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.