Carta do selecionador croata era falsa e autor já confessou

Afinal, não era verídica a suposta carta aberta de Zlatko Dalic no Facebook, com ferozes críticas dirigidas à classe política do país.

Afinal, a suposta carta aberta do selecionador croata Zlatko Dalic no Facebook, em que eram dirigidas ferozes críticas à classe política do país, não foram escritas pelo treinador vice-campeão do mundo.

Depois de ter criado uma polémica que atravessou fronteiras, o verdadeiro autor, Igor Premuzic, confessou ao portal croata Dnevno ter escrito o texto, que no seu entender deveria ser escrito por "um verdadeiro desportista e patriota".

Na tal carta difundida numa rede social falsa de Zlatko Dalic, Premuzic afirmou que "a Croácia é o país mais pobre da União Europeia, governado por pessoas más e por membros de uma organização que já foi declarada como criminosa".

"Hoje, na Croácia, os nossos reformados não conseguem fazer face às suas necessidades mais básicas, os jovens não conseguem pagar a educação, os cuidados de saúde estão em colapso e o sistema judicial protege o grande capital e é corrupto", pode ler-se no texto fictício, em que se pedia "aos políticos e a todos os representantes das autoridades" para "que se afastem da seleção de futebol da Croácia".

Na publicação, constava ainda a promessa de que todos os prémios ganhos no Mundial da Rússia, cerca de 23 milhões de euros, seriam depositados num fundo especial para crianças da Croácia, para "financiar férias de crianças que nunca viram o mar Adriático".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.