Carta do selecionador croata era falsa e autor já confessou

Afinal, não era verídica a suposta carta aberta de Zlatko Dalic no Facebook, com ferozes críticas dirigidas à classe política do país.

Afinal, a suposta carta aberta do selecionador croata Zlatko Dalic no Facebook, em que eram dirigidas ferozes críticas à classe política do país, não foram escritas pelo treinador vice-campeão do mundo.

Depois de ter criado uma polémica que atravessou fronteiras, o verdadeiro autor, Igor Premuzic, confessou ao portal croata Dnevno ter escrito o texto, que no seu entender deveria ser escrito por "um verdadeiro desportista e patriota".

Na tal carta difundida numa rede social falsa de Zlatko Dalic, Premuzic afirmou que "a Croácia é o país mais pobre da União Europeia, governado por pessoas más e por membros de uma organização que já foi declarada como criminosa".

"Hoje, na Croácia, os nossos reformados não conseguem fazer face às suas necessidades mais básicas, os jovens não conseguem pagar a educação, os cuidados de saúde estão em colapso e o sistema judicial protege o grande capital e é corrupto", pode ler-se no texto fictício, em que se pedia "aos políticos e a todos os representantes das autoridades" para "que se afastem da seleção de futebol da Croácia".

Na publicação, constava ainda a promessa de que todos os prémios ganhos no Mundial da Rússia, cerca de 23 milhões de euros, seriam depositados num fundo especial para crianças da Croácia, para "financiar férias de crianças que nunca viram o mar Adriático".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.