Carlos Vieira quer uma academia em Lisboa e distribuir dividendos

O sexto candidato à presidência do Sporting diz que Bruno de Carvalho não cabe no seu projeto, pretende um Sporting plural, fazer regressar o basquetebol e juntar a rádio às plataformas de comunicação

Carlos Vieira é o sexto candidato à presidência do Sporting. Vice-presidente de Bruno de Carvalho para a área financeira, o gestor assume que tem "uma equipa com competência, experiência acumulada, conhecimento dos dossiês".

Para o candidato "todos os sportinguistas contam" e por isso pretende um "Sporting plural" em que exista a diferença de opinião e um debate saudável.

Para Carlos Vieira "Bruno de Carvalho não tinha lugar" no seu projeto que é, no seu entender, o "da continuidade"

Carlos Vieira manifestou vontade em em fazer regressar o basquetebol sénior masculino e em construir uma academia para as modalidades. Por falar em academia, Carlos Vieira quer uma nova para o futebol na área da grande Lisboa com "melhores acessibilidades para o estádio".

Na parte financeira, Carlos Vieira quer retomar "a negociação com parceiros financeiros que foi interrompida" e que vai permitir que o Sporting fique numa posição mais favorável "para ser dono de si próprio".

Vieira defende uma posição antiga de "distribuir dividendos" aos acionistas da SAD.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.