Carlos Vieira cancela ações de campanha às eleições do Sporting

O ex-vice-presidente e candidato reagiu à decisão da Comissão de Gestão de impedir "ações de propaganda" dos sócios suspensos nos núcleos do clube

Carlos Vieira decidiu esta sexta-feira cancelar as ações de campanha que tinha agendadas, tendo em vista as eleições do Sporting marcadas para 8 de setembro, na sequência do comunicado da Comissão de Gestão que esclareceu que os núcleos do clube não podem receber "ações de propaganda" de sócios suspensos provisoriamente.

Numa publicação na sua página de Facebook, o ex-vice-presidente de Bruno de Carvalho, deixou a garantia que não se revê na decisão da Comissão de Gestão. "Decidimos cancelar as ações agendadas. Mesmo sem nos revermos na decisão da Comissão de Gestão queremos contribuir para um clima de serenidade e tranquilidade no nosso clube", explicou.

Carlos Vieira deixou, no entanto, claro que esta decisão não irá impedir a sua candidatura de continuar no terreno. "Não impede no entanto que continuemos a contactar sportinguistas e a pugnar pelos nossos legítimos direitos", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.