Carlos Queiroz diz adeus à seleção do Irão e segue para a Colômbia

Treinador português confirmou esta segunda-feira que está de saída do comando técnico da seleção, depois da derrota com o Japão nas meias-finais da Taça da Ásia. Menos de uma hora depois a Federação colombiano anunciou que chegou a acordo com o português para orientar a equipa nacional colombiana.

Menos de uma hora depois de Carlos Queiroz anunciar o adeus à seleção do Irão, o presidente da federação colombiana de futebol anunciou que chegou a uma acordo com o técnico português para orientar a seleção do país. "Temos o acordo feito, mas pediu para que pudesse terminar a Taça Asiática com o Irão. Depois, vem assinar contrato connosco. Tem muita experiência, já esteve em todo o Mundo, incluíndo Real Madrid e Manchester United. Tem muito conhecimento dos futebolistas colombianos", disse Ramón Jesurún, à rádio colombiana LaFM.

Queiroz sucede assim a José Pekerman, que liderava a seleção desde 2012. O português esteve oito anos à frente da seleção iranana, tendo conseguido a primeira presença de sempre do Irão numa fase final de um Mundial em 2014, feito que repetiu em 2018, na Rússia.

Carlos Queiroz anunciou esta segunda-feira adeus à seleção iraniana, logo a seguir à derrota por 0-3 com o Japão, nas meias-finais da Taça da Ásia."Este é o final da minha etapa à frente do Irão. Estou muito feliz porque, como treinador, fiz as coisas à minha maneira", afirmou o treinador português, que está a ser apontado à seleção da Colômbia.

"Um erro inocente dos meus jogadores deu origem ao golo e foram abaixo em termos emocionais. É verdade que hoje ganhou a melhor equipa. Obrigado aos meus jogadores por todo o esforço durante estes anos. Vão estar no meu coração para o resto da minha vida", acrescentou, acerca do jogo com os nipónicos.

Dois golos do avançado Yuya Osako, aos 57 e 67 (de grande penalidade) minutos, e um de Genki Haraguchi aos 90+2' deram a vitória ao Japão, que na sexta-feira vai defrontar Qatar ou a seleção anfitriã na final da prova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.