Emiliano Sala morreu devido a lesões na cabeça e no corpo

Foi ainda revelado que o corpo do argentino foi identificado através de impressões digitais. Buscas pelo piloto do avião continuam. Cardiff cancelou estágio em Espanha.

Foram reveladas as causas da morte do futebolista Emiliano Sala. Depois de concluída a autópsia, ficou a saber-se que o argentino acabou por morrer devido a lesões na cabeça e no corpo. Segundo o Guardian, foi ainda divulgado que o corpo de Sala foi identificado a 7 de fevereiro através de impressões digitais.

Foi ainda revelado nesta segunda-feira, em tribunal, que vão acontecer investigações ao acidente, levadas a cabo pela polícia, pela agência para Investigação de Acidentes Aéreos e pela Autoridade para a Aviação Civil. O inquérito pode demorar entre seis meses e um ano, referiu o médico legista Brendan Allen.

O corpo do piloto do avião que transportava Sala, David Ibbotson, ainda não foi encontrado, mas continuam as campanhas de crowdfunding para que as buscas prossigam. Ao programa Good Morning Britain, a mulher de David Ibbotson, Nora, afirmou: "Sabemos que ele partiu, mas queremo-lo de volta, em casa."

"Prefiro abraçar os meus filhos"

O Cardiff cancelou um estágio de quatro dias nas ilhas Canárias, em Espanha, em consequência da confirmação da morte de Emiliano Sala, revelou esta segunda-feira o treinador da equipa da Premier League.

"Depois de tudo o que se passou, prefiro abraçar os meus filhos e ver a minha mulher, porque foram duas semanas muito longas", explicou Neil Warnock, revelando que os jogadores da equipa galesa, que tinha acabado de contratar Sala ao Nantes, precisam de tempo para "refletir".

O corpo resgatado na quarta-feira passada do avião privado que caiu em 21 de janeiro no canal da Mancha, quando seguia de Nantes para Cardiff, onde o jogador era esperado para treinar no novo clube, foi identificado como sendo o do avançado, de 28 anos.

Sala, que iniciou a carreira nos portugueses do FC Crato, tinha acabado de assinar um contrato por três anos e meio com o Cardiff, atual 16.º classificado do campeonato inglês, a mais cara transferência feita pelo clube galês, no valor 17 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.