Mundial de Canoagem: Nuno Barros quinto e Rui Lacerda nono em C1

Os canoístas Nuno Barros e Rui Lacerda falharam este sábado as medalhas no mundial de maratona, na Vila de Prado, Braga, ficando em quinto e nono, respetivamente, na competição realizada no Rio Cávado.

Campeão do Mundo em 2010 e bronze em 2014, 2015 e 2016, o 'veterano' Nuno Barros começou mal, perdendo metros decisivos, mas depois fez uma prova em progressão, ainda assim insuficiente para apanhar o quarteto da frente.

Terminaria os 26,2 quilómetros em 2:11.17,98 horas, a 3.46 minutos do ouro do espanhol Manuel Campos, igualmente campeão da Europa.

Rui Lacerda, que se apresentou como vice-campeão da Europa, e que soma medalhas em europeus e mundiais juniores e sub-23, teve um desempenho dececionante para as suas ambições de pódio, fazendo uma prova em sentido inverso e baixando até ao nono lugar, a 7.45 minutos do primeiro.

Manuel Campos bateu o compatriota Manuel Garrido, que abdicou do sprint final, por 8,74 segundos, enquanto o húngaro Ádám Dóczé foi terceiro, a 34,23, apenas 0,33 segundos mais rápido do que o russo Kirill Shamshurin.

No setor feminino, Ana Afonso e Rita Nascimento foram, respetivamente, 12.ª e 13.ª entre as 14 que terminaram a prova, muito desequilibrada e dominada claramente pela ucraniana Liudmyla Babak, que completou os 15,4 quilómetros em 1:24,18,27 horas, batendo a húngara Zsófia Kisbán por 1.47 minutos e a francesa Marine Sansinena por 4.24.

Ana Afonso ficou a 13.03 minutos e Rita Nascimento a 14.50.

Ainda hoje, a partir das 16:30, o pentacampeão da Europa K1 José Ramalho vai lutar pelo único título que lhe falta na carreira, depois de em mundiais já ter sido bronze em 2009, 2014 e 2016 e prata em 2012.

Portugal tem, para já, uma medalha de ouro, conquistada sexta-feira por Sérgio Maciel em C1 sub-23.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.