Mbappé salva a França e Cervi marca pela Argentina

Os campeões do mundo arrancaram um empate caseiro, nos últimos minutos, frente à Islândia (2-2). Os argentinos golearam o Iraque

Em Guingamp, só a entrada em campo de Kylian Mbappé evitou a surpresa maior e resgatou um empate para a França Num particular arbitrado pelo português Tiago Martins, golos de Bjárnason e Árnason, aos 30 e 58 minutos, respetivamente, para a Islândia, colocaram em sentido a seleção campeã do mundo.

Num jogo em que dominaram a posse de bola, mas não conseguiram impor-se no domínio das oportunidades criadas, os franceses acabaram por reduzir já na reta final, graças a um autogolo de Eyjólfsson, aos 86, provocado por uma boa jogada de Kylian Mbappé, que começou o jogo no banco e entrou aos 60 minutos para o lugar de Griezmann.

Quatro minutos depois, coube ao melhor jogador jovem do último Mundial da Rússia converter um penálti que Sigthorsson, ao jogar a bola com a mão, 'ofereceu' à equipa da casa.

Em Riade, o Iraque não conseguiu suster o poderio ofensivo dos argentinos, que, mesmo sem Messi, não tiveram dificuldades em golear.

Com Marcos Acuña, do Sporting, no ',onze', e Salvio, do Benfica, a partir dos 46 minutos, a 'alviceleste' chegou ao intervalo a ganhar 1-0, graças a um tento de Lautaro Martínez (18).

No segundo tempo, Roberto Pereyra fez o 2-0, aos 53, sete minutos antes da entrada de Cervi, que fechou aos contas aos 90+1, já depois do tento de Pezzella (82).

Em Cardiff, a Espanha goleou o País de Gales por 4-1, com dois golos de Paco Alcácer, aos oito e 29 minutos.

Os defesas Sergio Ramos, aos 19, e Bartra, aos 74, fizeram de cabeça os restantes golos, em ambos os casos em resposta a bolas paradas cobradas por Suso, com Vokes a fazer o 'golo de honra' da equipa da casa, aos 89.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.