Mbappé salva a França e Cervi marca pela Argentina

Os campeões do mundo arrancaram um empate caseiro, nos últimos minutos, frente à Islândia (2-2). Os argentinos golearam o Iraque

Em Guingamp, só a entrada em campo de Kylian Mbappé evitou a surpresa maior e resgatou um empate para a França Num particular arbitrado pelo português Tiago Martins, golos de Bjárnason e Árnason, aos 30 e 58 minutos, respetivamente, para a Islândia, colocaram em sentido a seleção campeã do mundo.

Num jogo em que dominaram a posse de bola, mas não conseguiram impor-se no domínio das oportunidades criadas, os franceses acabaram por reduzir já na reta final, graças a um autogolo de Eyjólfsson, aos 86, provocado por uma boa jogada de Kylian Mbappé, que começou o jogo no banco e entrou aos 60 minutos para o lugar de Griezmann.

Quatro minutos depois, coube ao melhor jogador jovem do último Mundial da Rússia converter um penálti que Sigthorsson, ao jogar a bola com a mão, 'ofereceu' à equipa da casa.

Em Riade, o Iraque não conseguiu suster o poderio ofensivo dos argentinos, que, mesmo sem Messi, não tiveram dificuldades em golear.

Com Marcos Acuña, do Sporting, no ',onze', e Salvio, do Benfica, a partir dos 46 minutos, a 'alviceleste' chegou ao intervalo a ganhar 1-0, graças a um tento de Lautaro Martínez (18).

No segundo tempo, Roberto Pereyra fez o 2-0, aos 53, sete minutos antes da entrada de Cervi, que fechou aos contas aos 90+1, já depois do tento de Pezzella (82).

Em Cardiff, a Espanha goleou o País de Gales por 4-1, com dois golos de Paco Alcácer, aos oito e 29 minutos.

Os defesas Sergio Ramos, aos 19, e Bartra, aos 74, fizeram de cabeça os restantes golos, em ambos os casos em resposta a bolas paradas cobradas por Suso, com Vokes a fazer o 'golo de honra' da equipa da casa, aos 89.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.