Campanha da Nike motiva boicote nos Estados Unidos

O jogador de futebol americano Colin Kaepernick deu a cara pela nova campanha da marca de equipamentos mas os consumidores afetos à governação Trump não se esqueceram da sua atitude perante o hino norte-americano

Está a ser violenta a reação dos consumidores à decisão da Nike em utilizar Colin Kaepernick como o rosto da sua nova campanha publicitária.

O jogador de futebol americano recusou-se a permanecer de pé durante o hino norte-americano o que levou muitos consumidores a colocarem nas redes sociais fotografias em que mostravam os seus produtos Nike a serem destruídos. Em simultâneo foram convocadas manifestações, também através das redes sociais.

Até Wall Street se manifestou mostrando alguma preocupação pelo facto de as ações da Nike estarem a cair 3%. Ainda assim diversos especialistas referiram que a longo prazo a Nike pode sair beneficiada deste ataque de consumidores afetos à governação Trump.

Kaepernick foi o primeiro praticante de futebo, americano a desafiar Donald Trum. Primeiro decidiu sentar-se durante o hino que antecede os jogos, depois colocou-se de joelhos. Esse gesto fez escola e levou a centenas de jogadores a imitarem Kaepernick que tinha como intenção protestar contra a violência da polícia para com os afro-americanos.Nem de propósito a Nike descreveu-o como "um dos mais inspiradores atletas da sua geração".

Os protestos tornaram-se massivos o que levou Donald Trump a considerar todos os jogadores que não respeitaram o hino como anti-patriotas.

No momento em que dá a cara pela campanha 'Just do it' Kaepernick decidiu processar judicialmente os proprietários de todas as equipas da NFL acusando-os de conspiração para o impedirem de jogar, pois terminou contrato com os San Francisco em março de 2017 e não voltou a ser alvo de interesse por parte de outras equipas. Mas estará em todos os estádios, quanto mais não seja em versão outdoor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.