Bruno Lage: "Não sofremos. Acho que fizemos uma exibição muito boa"

Treinador assume opção estratégica para poupar Jonas e Grimaldo no onze inicial mas defende que equipa esteve sempre por cima e em crescendo no jogo com o Dínamo de Zagreb. E promete equipa forte frente ao Moreirense.

O treinador do Benfica, Bruno Lage, rejeitou a ideia de que o Benfica tenha sofrido para ultrapassar o Dínamo de Zagreb na Liga Europa. Apesar de uma parte em que nem a inesperada dupla de atacantes, formada por Jota e Rafa, nem os restantes jogadores, encontraram os caminhos da baliza, e do golo de Jonas que na altura empatou a eliminatória só ter surgido aos 71 minutos, Lage considerou que a equipa da Luz esteve sempre bem no jogo.

"Não sofremos. Acho que fizemos foi uma exibição muito boa, em crescendo", defendeu em declarações à SIC Notícias, no final da partida. "Pena termos ido para os 120 minutos. Mas acho que tivemos sempre o jogo controlado e fomos criando oportunidades", reforçou.

Quanto às surpresas no onze inicial, onde se incluíram a inclusão de Zivkovic e de Yuri Ribeiro, este no lugar de Grimaldo, Lage confirmou que havia a intenção de poupar o avançado brasileiro e o defesa espanhol. "Eram os únicos dois jogadores que me preocupavam, o Jonas e o Grimaldo. Não lhes queria dar os 90 minutos", admitiu. "Tínhamos essa situação estudada. Sabíamos que não iam fazer os 90 minutos. Iam fazer setenta, que era o tempo de treino que tínhamos revisto para os próximos dois dias".

Quanto à prestação do Dínamo de Zagreb, Bruno Lage defendeu que esta se apresentou com uma estratégia dentro da "previsão" feita pela equipa técnica do Benfica, tendo sido "uma equipa muito idêntica" à que vencera o Benfica por 1-0 na Croácia, com "forte pressão dos médios, a tentar bloquear a nossa fase de construção". Desta vez, defendeu, o Benfica conseguiu fazer o que falhara na primeira mão: "jogámos muito pelos corredores e nas diagonais entre as defesas".

"No outro jogo não correu bem, hoje correu. Somos mesmos que perderam em Dínamo [n.d.r. Zagreb]", resumiu.

Desgaste dos 120 minutos desvalorizado

Já na conferência de imprensa, o treinador prometeu que no domingo, em Moreira de Cónegos, o Benfica se apresentará com uma equipa pronta a fazer "um grande jogo", dentro do que vinha fazendo até ao empate 2-2 em casa com o Belenenses, considerando que a equipa, com a "intensidade" revelada na ponta final do jogo, mostrou que está em boa condição física e capaz de recuperar do desgaste adicional do prolongamento a tempo do jogo de domingo. "A forma como treinamos é que nos permite jogar com esta intensidade. E também nos permite recuperar mais rápido".

O mesmo discurso foi repetido por vários jogadores das águias, que prometeram um Benfica fresco em Moreira de Cónegos. "A equipa esteve bem. Tanto nos 90 minutos como nos outros 30 de prolongamento, penso que se notou frescura física", disse o capitão André Almeida à SIC Notícias. "A equipa tem estado a recuperar bem, tanto a nível físico como a nível técnico e a nível tático", defendeu, admitindo ainda que "as vitórias são sempre importantes" para mobilizar os jogadores.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.