Desp. Chaves contrata no Qatar

O emblema flaviense garantiu esta quarta-feira, para as próximas duas temporadas, o médio Bruno Gallo, antigo jogador do Marítimo, Vitória de Setúbal e Leixões.

O brasileiro de 30 anos é o oitavo reforço do emblema de Trás-os-Montes e na temporada anterior representou Qatar SC, equipa do Qatar.

O médio esquerdino teve duas passagens pelo futebol português, representando o Leixões em 2009/10 e o Vitória de Setúbal entre 2010 e 2013. Após o regresso ao futebol brasileiro, para representar o Resende, voltou a Portugal para atuar no Marítimo em 2014/15. Na sua carreira, representou ainda as equipas brasileiras do Vasco da Gama e Bréscia (Rio de Janeiro).

O Desportivo de Chaves já contratou mais sete jogadores para a próxima temporada, nomeadamente Ghazaryan (ex-Marítimo), João Teixeira (ex-Benfica), Marcão (ex-Rio Ave), Luís Martins (ex-Marítimo), Filipe Brigues (ex-União de Leiria), David Moura (ex-Vilafranquense) e Avto (ex-Académico de Viseu).

O emblema flaviense assinou ainda contrato profissional com o ala Mica Borges, da equipa satélite, e que integrou de imediato a equipa principal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.