Bruno de Carvalho nega ter tentado congelar contas bancárias do SCP

Antigo líder do Sporting diz nas redes sociais que Comissão de Gestão do clube o acusa de "crimes que não existem" na lei portuguesa.

Num comunicado que assina como "presidente do Conselho Diretivo" do Sporting, Bruno de Carvalho garantiu esta terça-feira que "não houve nenhuma tentativa de congelamento de qualquer conta bancária" do clube ou da SAD.

"É evidente que ninguém procurou congelar qualquer conta bancária" do clube ou da SAD, escreveu Bruno de Carvalho, depois de a Comissão de Gestão do Sporting o acusar de ter enviado "cartas a bancos com os quais o SCP mantém relações comerciais".

Contudo, Bruno de Carvalho - oficialmente destituído da presidência do clube - afirmou que "os membros da direção em exercício por força da suspensão precária" (leia-se aquela a que presidiu) "fizeram e farão o que devem".

Referindo-se aos membros da Comissão de Gestão do Sporting como "comissários de JMS" - Jaime Marta Soares, presidente da Assembleia Geral -, Bruno de Carvalho acusou-os de falarem "em nome do clube e como se fossem a sua direção em exercício".

No que qualificou como um "novo exercício de despudorada desonestidade intelectual" da estrutura presidida por Artur Torres Pereira, Bruno de Carvalho disse que a denúncia contra si por alegadamente ter tentado congelar as contas bancárias da instituição e da SAD corresponde a "participações por crimes inexistentes" como o de fraude.

Bruno de Carvalho, que há dias quis reassumir funções com base numa providência cautelar que não traduzia a decisão judicial que dizia existir nesse sentido, acusou ainda os responsáveis da Comissão de Gestão de "expressar as imaginações delirantes sobre os tribunais, inclusivamente fazendo-se intérpretes do que os senhores juízes decidirão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.