Bruno de Carvalho entrega pedido para AG e deixa críticas a Marta Soares

Ex-presidente diz que Marta Soares tem de marcar a Assembleia Geral e pagá-la. Bruno de Carvalho não se conforma por estar impedido de ir a votos a 8 de setembro

Bruno de Carvalho vai entregar esta quarta-feira nos serviços do Sporting um requerimento no sentido de ser marcada uma Assembleia Geral Extraordinária para que todas as candidaturas possam concorrer às eleições marcadas para o dia 8 de setembro - ele e Carlos Vieira, também candidato, estão suspensos e por isso impedidos de ir a votos enquanto o processo disciplinar não estiver resolvido.

Na madrugada desta quarta-feira, o ex-presidente deixou uma mensagem nas redes sociais a deixar duras críticas a Jaime Marta Soares.

Aqui fica a mensagem na íntegra:

"Isto já ultrapassa os limites de tudo!

Jaime Marta Soares fez uma AG ilegal dia 23 de Junho: não publicou a mesma no Jornal do Sporting como mandam os estatutos - só isto fere a AG de legalidade; Não tinha legitimidade para a marcar; Não mostrou as assinaturas. Não cumpriu a regra estatutária da presença de 750 votos dos mil recolhidos; Não deixou as pessoas visadas defenderem-se...

Agora vem falar de 30 dias e de depósitos de dinheiro e de locais que podem não estar disponíveis.

Jaime Marta Soares vai ter de marcar esta AG se essa for a vontade dos associados, em tempo útil, pagando a mesma e assegurando os serviços, como na AG de dia 23.

Lamento que os restantes candidatos não se juntem a esta iniciativa demonstrando defender os valores da democracia e estado de direito que tanto apregoam.

SÓCIOS NÃO DESMOBILIZEM e mostrem de vez que quem manda no Clube são e sempre serão os associados!"

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.