Bruno de Carvalho diz que aprendeu com erros e lições do passado

Foi num manifesto que o ex dirigente leonino explicou o porquê de se recandidatar às eleições de 08 de setembro

Bruno de Carvalho afirmou ter aprendido com os erros do passado e que isso lhe confere otimismo para o futuro, no seu manifesto para as eleições do Sporting, depois de ter sido destituído da presidência do clube.

"Sou candidato porque aprendi com os erros e lições do passado, erros e lições que me dão força e motivação para encarar com mais otimismo o futuro", lê-se no documento divulgado, no qual justifica a sua candidatura às eleições de 08 de setembro.

Neste manifesto, Bruno de Carvalho, que presidiu ao clube entre 2013 e 23 de junho último, diz que "não podia ignorar o apelo que tantos e tantos sócios fizeram" para avançar, a fim de "defender o projeto".

"Sou candidato porque só eu posso garantir-vos, sem receios ou falsa modéstia, que a SAD continuará a ser detida maioritariamente pelo clube e, desta forma, controlada pelos sócios", frisou, reiterando a aposta num clube eclético, "faminto de ambição", para "repetir a última época das modalidades".

Agradecendo a quem o acompanhou no clube, Bruno de Carvalho acrescenta contar com "pessoas alinhadas com os ideais do Sporting e capazes de defender e realizar as medidas contidas" no programa e "manter o clube no rumo certo".

"Sou candidato porque amo e vivo intensamente o Sporting Clube de Portugal. Sou candidato porque honro e sou leal ao Sporting Clube de Portugal", rematou.

Para as eleições de 08 de setembro, são conhecidas as candidaturas de Bruno de Carvalho, Frederico Varandas, Fernando Tavares Pereira, Pedro Madeira Rodrigues e Dias Ferreira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.