Brasileiro Ronaldo já é dono do Valladolid

Antigo internacional brasileiro prometeu colocar todos os seus conhecimentos futebolísticos à disposição dos jogadores e fazer uma gestão eficaz

O brasileiro Ronaldo Nazário, de 42 anos, foi esta segunda-feira apresentado como principal acionista do Real Valladolid, clube da I Liga espanhola, depois de ter adquirido 51% das ações do emblema espanhol. "O nosso trabalho baseia-se na competitividade, no trabalho e na transparência,", referiu no discurso de apresentação, não esquecendo os adeptos: "Quero que todos façam parte deste clube e convido toda a cidade a participar neste projeto. Os adeptos devem ser parte do presente e do futuro do Valladolid."

Para esta nova aventura, Ronaldo, que em Espanha representou o Barcelona e o Real Madrid, prometeu que irá colocar todos os seus conhecimentos à disposição do clube: "Colocarei todos os meus conhecimentos futebolísticos à disposição dos jogadores e prometo realizar uma gestão eficaz. Isto não vai ficar por aqui. Queremos crescer até onde a nossa ilusão permitir para sermos o maior possível", acrescentou.

Ronaldo Nazário, que é embaixador do Real Madrid, não foi o único interessado em comprar o Valladolid, mas acabou por levar vantagem, tendo agora a missão de fazer face a uma dívida de 25 milhões de euros, além de ter de formar uma equipa competitiva que se volte a afirmar no principal escalão do futebol espanhol.

Bola de Ouro em 1997 e 2002, retirou-se do futebol em 2011 devido a graves lesões nos joelhos. Internacional brasileiro por 105 vezes (67 golos), o Fenómeno destacou-se no futebol profissional ao serviço de Cruzeiro, PSV Eindhoven, Barcelona, Inter Milão, Real Madrid, AC Milan e Corinthians. Foi ainda campeão do mundo de seleções em 1994 e 2002, a última das quais com Luiz Felipe Scolari como treinador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.