Bicampeã olímpica ficou paraplégica em acidente na pista

Kristina Vogel está atualmente num hospital em Berlim

A alemã Kristina Vogel, bicampeã olímpica em ciclismo de pista, ficou paraplégica na sequência do acidente que sofreu durante um treino em junho, em Cottbus, afirmou a própria, em declarações à revista Der Spiegel.

"É uma merda! Não posso dizer de outra forma. Faça o que fizer, sei que não voltarei a andar. Mas sempre acreditei que quanto mais rápido assumisse a situação, mais rápido aprenderia a viver com ela", afirmou Vogel, de 27 anos, nas suas primeiras declarações depois do acidente.

Apenas a família da ciclista tinha conhecimento das consequências do acidente ocorrido em 26 de junho, quando chocou violentamente com outro ciclista na pista, durante um treino em Cottbus, na Alemanha.

Vogel está atualmente num hospital em Berlim, onde tem marcada uma conferência de imprensa, para a próxima quarta-feira.

Além dos títulos olímpicos, de velocidade por equipas, em Londres2012, e velocidade individual, no Rio2016, Vogel conquistou 11 títulos mundiais por equipas (2012, 2013, 2014 e 2018), individuais (2014, 2015, 2017 e 2018) e em keirin (2014, 2016 e 2017).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...