Best of do Mundial: da vitória dos franceses aos nervos de todos os adeptos

Como todas as festas que chegam ao fim, o que fica não é só o triunfo de uma única seleção. São também todos os jogos que, no Terreiro do Paço, foram vividos como se fossem uma final

"Este é o dia que vamos recordar para sempre", grita eufórico Hector Girard, abraçando amigos, desconhecidos, rivais e todos os que lhe aparecem pela frente. E assim termina o campeonato do Mundo da Rússia. Os franceses venceram os croatas e são campeões. Et voilà! Não há mais nada para contar. O melhor que se leva deste Mundial é a glória de uma grande seleção que venceu tudo o que havia para vencer.

Para os franceses, a viver um momento histórico, a vitória pode ser o melhor deste Mundial, ninguém lhes tira essa conquista. Mas, como todas as festas que chegam ao fim, o que fica não é só o triunfo de uma única seleção. As finais, aliás, são ocasiões propícias para os flashbacks que concentram o melhor do melhor.

Não ver isso é esquecer, por exemplo, o golaço de Ronaldo contra a Espanha ao segundo dia, o penálti falhado de Messi ou até as quedas de Neymar. Dentro do campo, o melhor que se leva deste campeonato está longe de ser só o último dia. E fora do campo é a mesma coisa. Para quem assistiu tudinho até ao fim no Terreiro do Paço, em Lisboa, o melhor foram os gritos, os sustos, os nervos e as fezadas dos adeptos.

Foram até aqueles episódios que, à primeira vista, nada têm a ver com futebol. As despedidas de solteiros e de solteiras, que todos os santos dias deste campeonato apanharam bebedeiras de caixão à cova com os amigos. As entradas triunfais de quem se vestiu de verde e vermelho, como Aida Rodrigues, e que tanta sorte trouxe a Portugal para vencer a seleção de Marrocos. Ou até a ausência de Emanuel Freitas, que nesse dia ficou a trabalhar, mas enviou a mulher para sofrer pelos dois.

Foram ainda os adeptos como o belga Patrick, a porto-riquenha Cher e o sérvio Strahinja que enfrentaram os adversários do Brasil, sabendo à partida que estariam em minoria. Ou os iranianos, egípcios, australianos, peruanos e outros exotismos, que passaram pela Arena Portugal, mostrando que o turismo em Portugal não é só feito de espanhóis, ingleses, franceses e alemães. E foram ainda os torcedores como o português Gonçalo Graça ou o alemão Peter Ehrlic, que preferem morrer a trocar de clube, mas por amor, deixaram-se levar por outras seleções.

Mas, pronto, ninguém aqui quer ser desmancha-prazeres e, portanto, o melhor são os franceses. Foram eles que, no fim, conquistaram o direito a ter o último dia deste campeonato. "A festa vai durar até de madrugada", conta Eliott Legros. E, muito provavelmente, continuar até ao próximo Mundial.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.