Bernardo Silva marca na estreia vitoriosa do Manchester City

O emblema de Manchester iniciou este domingo a defesa do título inglês com um triunfo no campo do Arsenal, por 2-0, com um golo do português Bernardo Silva, no primeiro jogo oficial dos gunners pós-Arsene Wenger.

Em Londres, pela primeira vez desde 1996, o Arsenal não teve o técnico francês no comando, mas a estreia do espanhol Unai Emery acabou por ser estragada pelos citizens, com Bernardo Silva, que foi titular, a marcar o segundo golo da sua equipa, aos 64 minutos.

A estrela da partida acabou por ser o defesa lateral francês Benjamin Mendy, jogador que passou grande parte da última temporada parado devido a grave lesão, tendo somado a assistência para o tento do médio português e também para Sterling, que abriu a contagem aos 14.

O Manchester City foi uma das oito equipas que entraram a vencer na Premier League, numa lista em que aparece o Liverpool, que alcançou o triunfo mais folgado desta primeira jornada, ao bater o West Ham, por 4-0, em Anfield Road.

A grande figura do encontro foi o senegalês Sadio Mané, que bisou para os vice-campeões europeus, aos 45+2 e 53. O egípcio Salah abriu a contagem, aos 19, e Sturridge fechou a contagem, aos 88.

Destaque ainda para Cedric Soares, que foi titular no nulo caseiro do Southampton perante o Burnley. O lateral direito acabou substituído aos 56 minutos.

Na sexta-feira, o Manchester United, de José Mourinho, deu o pontapé de saída no campeonato, com um triunfo em Old Trafford diante do Leicester. Para os red devils marcaram Paul Pogba (3 minutos, de penálti) e Luke Shaw (83), enquanto Jamie Vardy marcou para os visitantes, já nos descontos (90+2).

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.