Muito domínio, pouca criatividade e um golo para gerir na Turquia

Cervi marcou o golo solitário da vitória do Benfica frente ao Fenerbahçe (1-0), na primeira mão da terceira pré-eliminatória da Champions

Num jogo que dominou claramente, mas nem sempre da melhor forma, o Benfica conseguiu uma vantagem mínima de 1-0 sobre o Fenerbahçe para gerir na segunda mão desta eliminatória, daqui a uma semana, no sempre difícil ambiente da Turquia.

Cervi marcou o golo dos encarnados, aos 69 minutos, numa jogada que acionou a conexão argentina dos flancos da equipa de Rui Vitória, com Salvio a cruzar rasteiro da direita e a bola a sobrar para o esquerdino, que contou ainda com a preciosa ajuda do guarda-redes turco Demirel, que deixou passar a bola por baixo do corpo.

Vlachodimos, Gedson e Ferreyra foram as caras novas no onze do Benfica

Um golo que materializou a pressão intensa do Benfica sobre o último reduto do Fenerbahçe desde o início da segunda parte, fase em que os encarnados aumentaram consideravelmente o ritmo de jogo, depois de uma primeira parte de futebol encravado e sem velocidade.

O jogo até começou com um lance de penálti sobre Cervi (agarrado na pequena área) que o árbitro ignorou, mas o Benfica não capitalizou o momento para carregar sobre a equipa turca. Com o reforço argentino Ferreyra na frente de ataque, o "miúdo" Gedson no meio-campo e Vlachodimos na baliza como únicas caras novas em relação à temporada passada, Rui Vitória procurou manter ao máximo o figurino e as rotinas da equipa. Mas as águias voltaram a apresentar um futebol lento e sem imaginação, como tantas vezes foi criticada de fazer na época anterior.

Pouca criatividade

Sem criatividade nem capacidade para romper linhas defensivas dos turcos, o Benfica só criava desequilíbrios nos momentos de recuperação de bola e transição rápida para o ataque. Contudo, também ai faltava critério na definição.

A melhor ocasião apareceu mesmo sobre o intervalo, quando Ferreyra, muito desligado do resto da equipa (e a fazer aumentar os suspiros por Jonas nas bancadas), finalmente ganhou espaço na área, mas acabou por fazer um passe a Demirel.

Sobravam as tentativas de combinação entre os elementos dos corredores (Grimaldo-Cervi e André Almeida-Salvio), os cruzamentos sem sequência e a disponibilidade do jovem Gedson para aparecer em várias zonas. Eram dele, Gedson, também os únicos passes interiores a tentar romper o muro do Fenerbahçe, que apareceu na Luz sobretudo preocupado em não sofrer golos, esticando pouco o jogo até à área encarnada.

Na segunda metade, o Benfica surgiu então com um ritmo mais intenso na pressão sobre a saída de bola do Fenerbahçe e com maior velocidade na troca de bola, começando progressivamente a abafar a equipa turca junto à sua área. Ainda assim, com pouca imaginação para criar desequilíbrios, as tentativas de remate e penetração ia esbarrando no muro contrário.

Castillo melhor do que Ferreyra

Rui Vitória trocou o dececionante Ferreyra por outro reforço atacante desta temporada, Castillo, e, ainda sem que o chileno tivesse tocado na bola, o Benfica chegou ao golo quase de seguida, após mais um cruzamento de Salvio pela direita ter encontrado Cervi do outro lado da área.

Se a Castillo pouco mérito pode ser atribuído no golo, no resto da partida o possante avançado que veio da liga mexicana mostrou bem maior utilidade do que Ferreyra, contribuindo com melhor capacidade de receber a bola de costas para a defesa e ligar jogo com os criativos, o que permitiu mais criação interior ao Benfica.

Até ao fim, Castillo tentou duas ou três vezes materializar isso com golo, mas não foi feliz no remate e o Benfica teve mesmo de contentar-se com a vantagem mínima, apesar da enorme superioridade estatística. Se a vantagem é curta ou não, ver-se-á na próxima semana, em Istambul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.