Muito domínio, pouca criatividade e um golo para gerir na Turquia

Cervi marcou o golo solitário da vitória do Benfica frente ao Fenerbahçe (1-0), na primeira mão da terceira pré-eliminatória da Champions

Num jogo que dominou claramente, mas nem sempre da melhor forma, o Benfica conseguiu uma vantagem mínima de 1-0 sobre o Fenerbahçe para gerir na segunda mão desta eliminatória, daqui a uma semana, no sempre difícil ambiente da Turquia.

Cervi marcou o golo dos encarnados, aos 69 minutos, numa jogada que acionou a conexão argentina dos flancos da equipa de Rui Vitória, com Salvio a cruzar rasteiro da direita e a bola a sobrar para o esquerdino, que contou ainda com a preciosa ajuda do guarda-redes turco Demirel, que deixou passar a bola por baixo do corpo.

Vlachodimos, Gedson e Ferreyra foram as caras novas no onze do Benfica

Um golo que materializou a pressão intensa do Benfica sobre o último reduto do Fenerbahçe desde o início da segunda parte, fase em que os encarnados aumentaram consideravelmente o ritmo de jogo, depois de uma primeira parte de futebol encravado e sem velocidade.

O jogo até começou com um lance de penálti sobre Cervi (agarrado na pequena área) que o árbitro ignorou, mas o Benfica não capitalizou o momento para carregar sobre a equipa turca. Com o reforço argentino Ferreyra na frente de ataque, o "miúdo" Gedson no meio-campo e Vlachodimos na baliza como únicas caras novas em relação à temporada passada, Rui Vitória procurou manter ao máximo o figurino e as rotinas da equipa. Mas as águias voltaram a apresentar um futebol lento e sem imaginação, como tantas vezes foi criticada de fazer na época anterior.

Pouca criatividade

Sem criatividade nem capacidade para romper linhas defensivas dos turcos, o Benfica só criava desequilíbrios nos momentos de recuperação de bola e transição rápida para o ataque. Contudo, também ai faltava critério na definição.

A melhor ocasião apareceu mesmo sobre o intervalo, quando Ferreyra, muito desligado do resto da equipa (e a fazer aumentar os suspiros por Jonas nas bancadas), finalmente ganhou espaço na área, mas acabou por fazer um passe a Demirel.

Sobravam as tentativas de combinação entre os elementos dos corredores (Grimaldo-Cervi e André Almeida-Salvio), os cruzamentos sem sequência e a disponibilidade do jovem Gedson para aparecer em várias zonas. Eram dele, Gedson, também os únicos passes interiores a tentar romper o muro do Fenerbahçe, que apareceu na Luz sobretudo preocupado em não sofrer golos, esticando pouco o jogo até à área encarnada.

Na segunda metade, o Benfica surgiu então com um ritmo mais intenso na pressão sobre a saída de bola do Fenerbahçe e com maior velocidade na troca de bola, começando progressivamente a abafar a equipa turca junto à sua área. Ainda assim, com pouca imaginação para criar desequilíbrios, as tentativas de remate e penetração ia esbarrando no muro contrário.

Castillo melhor do que Ferreyra

Rui Vitória trocou o dececionante Ferreyra por outro reforço atacante desta temporada, Castillo, e, ainda sem que o chileno tivesse tocado na bola, o Benfica chegou ao golo quase de seguida, após mais um cruzamento de Salvio pela direita ter encontrado Cervi do outro lado da área.

Se a Castillo pouco mérito pode ser atribuído no golo, no resto da partida o possante avançado que veio da liga mexicana mostrou bem maior utilidade do que Ferreyra, contribuindo com melhor capacidade de receber a bola de costas para a defesa e ligar jogo com os criativos, o que permitiu mais criação interior ao Benfica.

Até ao fim, Castillo tentou duas ou três vezes materializar isso com golo, mas não foi feliz no remate e o Benfica teve mesmo de contentar-se com a vantagem mínima, apesar da enorme superioridade estatística. Se a vantagem é curta ou não, ver-se-á na próxima semana, em Istambul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.