Belenenses SAD e V. Setúbal responsáveis pelo primeiro empate a zero da época

E ao 30º jogo surgiu o primeiro 0-0 da I Liga 2018/19, mas as duas bem procuraram marcar

Belenenses SAD e V. Setúbal colocaram este sábado um ponto final em 29 jogos da I Liga com golos, ao não saírem do 0-0, em jogo da 4.ª jornada.

Os azuis somou o segundo empate na prova, depois de na ronda anterior ter cedido uma igualdade tardia em Moreira de Cónegos, enquanto o Vitória registou a primeira igualdade, que sucedeu a dois desaires seguidos, com Sporting e Nacional.

Silas aplicou uma fórmula testada na pré-época, com Fredy no vértice mais ofensivo do losango de meio-campo, no apoio a Licá e Keita, na procura de explorar eventuais espaços concedidos pelo Vitória no espaço interior.

Contudo, os sadinos entraram muito agressivos no jogo e iam ganhando quase todos os duelos individuais, com particular destaque para Hildeberto Pereira, embora tenha pertencido a Éber Bessa a primeira grande situação.

A resposta do Belenenses foi travada, de forma providencial, por Vasco Fernandes, quando Keita se preparava para ficar sozinho perante Joel Pereira e com boas condições para finalizar. O guarda-redes vitoriano ainda teve de se aplicar nos remates de Fredy e Licá, o mesmo sucedendo com Muriel, em cima do intervalo, perante a tentativa de Cádiz.

No regresso do descanso, Joel Pereira brilhou, parando o cabeceamento de Keita. Ainda assim, o Belenenses não conseguia capitalizar o domínio, acabando por ceder nos últimos 30 metros, onde o Vitória fechava os caminhos para a sua baliza.

De resto, até poderiam ter sido os setubalenses a ganhar vantagem, num cruzamento de André Sousa que tomou o caminho da baliza, mas esbarrou no ferro, numa altura em que os azuis já jogavam com três centrais, libertando os restantes jogadores para o meio-campo ofensivo.

No entanto, a procura pelo golo ficou-se pelas intenções, cada vez menores à medida que se aproximava o final, e, assim, a I Liga 2018/19 teve o seu primeiro nulo, ao 30.º jogo disputado.

FICHA DO JOGO

Estádio Nacional (3000 espectadores)
Árbitro: Manuel Mota (Braga)

Belenenses: Muriel Becker; Diogo Viana, Gonçalo Silva, Sasso, Rienildo Mandava; Nuno Coelho, Dálcio, Lucca (André Santos, 80); Fredy, Alhassane Keita (Kikas, 84), Licá (Filipe Chaby, 70)

Treinador: Silas.

V. Setúbal: Joel Pereira; Mano, Artur Jorge, Vasco Fernandes, André Sousa; José Semedo, Éber Bessa, Rúben Micael (Costinha, 90+1); Hildeberto Pereira (Frederic Mendy, 77), Zequinha, Jhonder Cádiz (Allef, 70).
Treinador: Lito Vidigal.

Cartão amarelo a Vasco Fernandes (53)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.