Belenenses SAD e V. Setúbal responsáveis pelo primeiro empate a zero da época

E ao 30º jogo surgiu o primeiro 0-0 da I Liga 2018/19, mas as duas bem procuraram marcar

Belenenses SAD e V. Setúbal colocaram este sábado um ponto final em 29 jogos da I Liga com golos, ao não saírem do 0-0, em jogo da 4.ª jornada.

Os azuis somou o segundo empate na prova, depois de na ronda anterior ter cedido uma igualdade tardia em Moreira de Cónegos, enquanto o Vitória registou a primeira igualdade, que sucedeu a dois desaires seguidos, com Sporting e Nacional.

Silas aplicou uma fórmula testada na pré-época, com Fredy no vértice mais ofensivo do losango de meio-campo, no apoio a Licá e Keita, na procura de explorar eventuais espaços concedidos pelo Vitória no espaço interior.

Contudo, os sadinos entraram muito agressivos no jogo e iam ganhando quase todos os duelos individuais, com particular destaque para Hildeberto Pereira, embora tenha pertencido a Éber Bessa a primeira grande situação.

A resposta do Belenenses foi travada, de forma providencial, por Vasco Fernandes, quando Keita se preparava para ficar sozinho perante Joel Pereira e com boas condições para finalizar. O guarda-redes vitoriano ainda teve de se aplicar nos remates de Fredy e Licá, o mesmo sucedendo com Muriel, em cima do intervalo, perante a tentativa de Cádiz.

No regresso do descanso, Joel Pereira brilhou, parando o cabeceamento de Keita. Ainda assim, o Belenenses não conseguia capitalizar o domínio, acabando por ceder nos últimos 30 metros, onde o Vitória fechava os caminhos para a sua baliza.

De resto, até poderiam ter sido os setubalenses a ganhar vantagem, num cruzamento de André Sousa que tomou o caminho da baliza, mas esbarrou no ferro, numa altura em que os azuis já jogavam com três centrais, libertando os restantes jogadores para o meio-campo ofensivo.

No entanto, a procura pelo golo ficou-se pelas intenções, cada vez menores à medida que se aproximava o final, e, assim, a I Liga 2018/19 teve o seu primeiro nulo, ao 30.º jogo disputado.

FICHA DO JOGO

Estádio Nacional (3000 espectadores)
Árbitro: Manuel Mota (Braga)

Belenenses: Muriel Becker; Diogo Viana, Gonçalo Silva, Sasso, Rienildo Mandava; Nuno Coelho, Dálcio, Lucca (André Santos, 80); Fredy, Alhassane Keita (Kikas, 84), Licá (Filipe Chaby, 70)

Treinador: Silas.

V. Setúbal: Joel Pereira; Mano, Artur Jorge, Vasco Fernandes, André Sousa; José Semedo, Éber Bessa, Rúben Micael (Costinha, 90+1); Hildeberto Pereira (Frederic Mendy, 77), Zequinha, Jhonder Cádiz (Allef, 70).
Treinador: Lito Vidigal.

Cartão amarelo a Vasco Fernandes (53)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.