Aztecas na Praça do Comércio sentem-se em casa

Mexicanos eram "poucos, mas bons". Ainda assim não chegou para ganhar aos brasileiros, que tomaram conta do Terreiro do Paço, em Lisboa

Numa Arena Portugal lotada por brasileiros - até o vento sentia dificuldade em atravessar o Terreiro do Paço -, foi possível encontrar alguns, poucos, mexicanos. Mas todos vestidos a rigor e com um discurso muito positivo, caso de uma família - pai, mãe e dois irmãos - que estava de visita a Portugal. Carlos, o filho mais velho, sabia tudo sobre futebol, ele que mora em Alicante, Espanha. "Temos o Herrera no meio-campo, aquele que joga aqui em Portugal, no FC Porto. Ele vai tomar conta dos brasileiros", em larga maioria na Arena.

"Sim, eles são muitos, mas nós somos poucos mas bons. E senti que há muitos portugueses a torcer por nós." Com o passar dos minutos e o avolumar do resultado negativo, os sorrisos foram substituídos por rostos de mármore. A mãe Sílvia personificava a desilusão. "Não vencemos, é pena, porque, para nós, o futebol é uma religião". Mas cada um no seu lugar. Primeiro está Deus. "Prometemos que amanhã iríamos a Fátima, com ou sem vitória do nosso querido México".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.