Aztecas na Praça do Comércio sentem-se em casa

Mexicanos eram "poucos, mas bons". Ainda assim não chegou para ganhar aos brasileiros, que tomaram conta do Terreiro do Paço, em Lisboa

Numa Arena Portugal lotada por brasileiros - até o vento sentia dificuldade em atravessar o Terreiro do Paço -, foi possível encontrar alguns, poucos, mexicanos. Mas todos vestidos a rigor e com um discurso muito positivo, caso de uma família - pai, mãe e dois irmãos - que estava de visita a Portugal. Carlos, o filho mais velho, sabia tudo sobre futebol, ele que mora em Alicante, Espanha. "Temos o Herrera no meio-campo, aquele que joga aqui em Portugal, no FC Porto. Ele vai tomar conta dos brasileiros", em larga maioria na Arena.

"Sim, eles são muitos, mas nós somos poucos mas bons. E senti que há muitos portugueses a torcer por nós." Com o passar dos minutos e o avolumar do resultado negativo, os sorrisos foram substituídos por rostos de mármore. A mãe Sílvia personificava a desilusão. "Não vencemos, é pena, porque, para nós, o futebol é uma religião". Mas cada um no seu lugar. Primeiro está Deus. "Prometemos que amanhã iríamos a Fátima, com ou sem vitória do nosso querido México".

Ler mais

Exclusivos

Premium

25 de Abril

"Em Peniche, fechei a boca, nunca disse nada, levei muita pancada"

Esteve para ser entregue a privados, mas o governo voltou atrás e decidiu converter a fortaleza em Museu Nacional da Resistência e da Liberdade. Querem preservar a memória daqueles que por aqui passaram. Foram 2500, sobrevivem 50. Entre eles, José Pedro Soares, que nos guiou pelos corredores estreitos até à sua antiga cela.