Avião privado que transportava reforço do Cardiff desapareceu

Avião particular que transportava Emiliano Sala de França para a capital galesa desapareceu do controlo dos radares na noite esta segunda-feira junto à ilha de Alderney, no Canal da Mancha. Futebolista jogou nos distritais de Portalegre em 2009/10

O avião privado que transportava o avançado argentino Emiliano Sala do aeroporto de Nantes-Atlantique para Cardiff, no País de Gales, desapareceu do controlo dos radares esta segunda-feira às 21 horas de Lisboa.

O jogador, que se transferiu do Nantes para o Cardiff numa transação oficializada no sábado, despediu-se dos ex-companheiros de equipa e embarcou num voo privado rumo à capital galesa, onde deveria ter chegado por volta das 22 horas, mas tal não sucedeu, escreve o L'Equipe.

Entretanto, já na manhã desta terça-feira a polícia de Guernsey disse que está já a decorrer "uma operação de busca e resgate" a norte da ilha de Alderney, no Canal da Mancha, na sequência do "desaparecimento de uma aeronave".

Na última atualização, às 11.45, a polícia local informou que "mais de 1000 metros quadrados foram revistados por cinco aeronaves e dois barcos salva-vidas", ainda sem encontrar algo.

No momento em que o avião desapareceu, o portal Met Office adiantava que no local "havia alguns chuviscos, mas nada de muito intenso". "As velocidades do vento não foram muito más - entre 15 a 20 metros por hora", acrescentou.

Embora várias personalidades tenham manifestado esperança, o diretor das operações da Channel Islands Air Search mostrou-se muito pessimista relativamente à possibilidade de encontrar sobreviventes. "Pessoalmente, e falo apenas por mim, não acho que haja alguma chance de que eles ainda estejam vivos. É difícil pensar em alguma coisa que eles poderiam ter feito se não contorcer-se. Os radares perderam o rasto a noroeste de Alderney, 24 quilómetros ao norte da ilha de Guernsey. Se eles tivessem aterrado em algum lugar monitorado, o tráfego aéreo teria sido informado", explicou.

Sala, de 28 anos, foi anunciado no sábado como reforço do Cardiff, num negócio que rendeu 17 milhões de euros aos cofres do Nantes, clube que representava desde o verão de 2015, tendo sido orientado por Sérgio Conceição em 2016/17. Antes, em 2009/10, o futebolista jogou ao serviço do FC Crato, clube dos distritais de Portalegre, tendo realizado um jogo e apontado dois golos.

Emiliano Sala levava 12 golos em 19 jogos na liga francesa, sendo apenas superado por Mbappé (17), Cavani (14) e Neymar (13), todos do Paris Saint-Germain, e por Nicolas Pépé (13), do Lille.

"Estamos consternados pelas últimas notícias do avião com que se perdeu contacto no Canal da Mancha. Estamos à espera de confirmação antes de avançar com mais dados. Estamos muito preocupados com a segurança de Emiliano Sala", reconheceu o diretor executivo do Cardiff, Mehmet Dalman.

A Federação Francesa de Futebol decidiu adiar o jogo desta terça-feira entre o Nantes e o L'Entente Sannois Saint-Gratien, a contar para os 16 avos de final da Taça de França.

Entretanto, o pai do futebolista, Horacio Sala, reagiu através da estação argentina La Red. "Falei com ele no domingo pela última vez. Estava a viver sozinho em França e estava contente por esta transferência. Estou há quase uma hora à espera e nem sequer alguém do clube me telefonou. Estou desesperado", confessou.

Os presidentes do Nantes e do Cardiff também já abordaram o assunto. "É um rapaz educado, amável e adorado por todos. Sempre foi muito respeitoso. Regressou [a Nantes] porque queria despedir-se dos seus colegas e amigos. Espero que isto não tenha ainda terminado, que ele esteja em algum lado. A notícia apanhou-me de surpresa, nem sabia que ele estava em Nantes", disse Waldemar Kita, que ainda tem "esperança" de que o jogador seja encontrado.

O clube inglês, que tinha acabado de contratar Sala, reagiu à notícia através de um comunicado: "Ficámos muito preocupados ao saber que uma aeronave perdeu as comunicações no Canal da Mancha na noite passada. Esperamos uma confirmação para dizer mais sobre este assunto. Estamos muito preocupados com a segurança de Emiliano Sala".

em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.