Comissão Parlamentar vai ouvir com urgência Augusto Baganha e João Paulo Rebelo

Aprovada, por unanimidade e com urgência, as audições do ex-presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) Augusto Baganha, e do Secretário de Estado, João Paulo Rebelo

A Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto da Assembleia da República aprovou esta quarta-feira, por unanimidade, as audições do ex-presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) Augusto Baganha, e do Secretário de Estado, João Paulo Rebelo.

A comissão parlamentar esteve reunida esta quarta-feira e começou por votar o requerimento apresentado pelo PSD para ouvir o ex-líder do IPDJ, após o seu afastamento no início deste mês e consequente substituição pelo antigo colega Vítor Pataco, na sequência de um processo que levou à interdição do Estádio da Luz por um jogo.

"Com o entendimento das informações que vieram a público, houve unanimidade da Comissão para ouvir o presidente cessante do IPDJ. Foi invocada urgência na audição e esperamos que ela aconteça na próxima semana, dependendo da disponibilidade de Augusto Baganha", afirmou à agência Lusa o deputado social democrata José Carlos Barros.

O coordenador do PSD para esta área na comissão esclareceu também que surgiu um requerimento oral da parte do PCP para ser ouvido o Secretário de Estado do Desporto e Juventude, João Paulo Rebelo, e que o mesmo foi aprovado por unanimidade.

A audição do governante deverá ter lugar apenas depois de a Comissão ouvir as explicações do anterior responsável do IPDJ.

Augusto Baganha esteve sete anos na liderança do IPDJ e a sua saída aconteceu a cerca de um ano de terminar o mandato, com a Secretaria de Estado do Desporto e Juventude a escolher Vítor Pataco para o cargo. A substituição gerou polémica, tendo Augusto Baganha criticado o sucessor, acusando-o de reter o processo sobre o alegado apoio do Benfica aos grupos organizados de adeptos não legalizados durante nove meses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.