Atropelado por jogadores da Croácia, fotógrafo continua a disparar

O inesperado aconteceu após o golo que garantiu a passagem dos croatas à final do Mundial. Jogadores ajudaram o mexicano a levantar-se e pediram desculpa com um beijo na testa

Yuri Cortez, fotógrafo da Agence France-Press (AFP), ficará na história das imagens do Mundial 2018. Depois ter sido derrubado pelos jogadores croatas durante os festejos do golo de Mario Mandžukić, na meia-final contra a Inglaterra, o mexicano continuou a disparar, conseguindo fotografias de um ângulo diferente de todos os colegas.

Após o golo de Mandžukić, que deu a vitória à Croácia, os jogadores correram para perto da zona da publicidade, onde Yuri Cortez se encontrava. E amontoaram-se em cima do fotógrafo mexicano enquanto comemoravam o golo que lhes deu a passagem à final do mundial.

Apesar da confusão, Yuri não deixou de fotografar, e acabou por conseguir fotografias diferentes de todos os outros fotógrafos, o que lhe valeu muitos elogios nas redes sociais.

Preocupados com o estado de saúde do fotógrafo, os atletas croatas certificaram-se que estava bem antes de retomarem a partida. E, como mostram as imagens, foram mais longe no pedido de desculpas: o defesa Domagoj Vida deu-lhe um beijo na testa antes de regressar ao relvado.

A Croácia conseguiu, assim, apurar-se pela primeira vez para a final de um Campeonato do Mundo. Vai defrontar a França no próximo dia 15 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.