Atropelado por jogadores da Croácia, fotógrafo continua a disparar

O inesperado aconteceu após o golo que garantiu a passagem dos croatas à final do Mundial. Jogadores ajudaram o mexicano a levantar-se e pediram desculpa com um beijo na testa

Yuri Cortez, fotógrafo da Agence France-Press (AFP), ficará na história das imagens do Mundial 2018. Depois ter sido derrubado pelos jogadores croatas durante os festejos do golo de Mario Mandžukić, na meia-final contra a Inglaterra, o mexicano continuou a disparar, conseguindo fotografias de um ângulo diferente de todos os colegas.

Após o golo de Mandžukić, que deu a vitória à Croácia, os jogadores correram para perto da zona da publicidade, onde Yuri Cortez se encontrava. E amontoaram-se em cima do fotógrafo mexicano enquanto comemoravam o golo que lhes deu a passagem à final do mundial.

Apesar da confusão, Yuri não deixou de fotografar, e acabou por conseguir fotografias diferentes de todos os outros fotógrafos, o que lhe valeu muitos elogios nas redes sociais.

Preocupados com o estado de saúde do fotógrafo, os atletas croatas certificaram-se que estava bem antes de retomarem a partida. E, como mostram as imagens, foram mais longe no pedido de desculpas: o defesa Domagoj Vida deu-lhe um beijo na testa antes de regressar ao relvado.

A Croácia conseguiu, assim, apurar-se pela primeira vez para a final de um Campeonato do Mundo. Vai defrontar a França no próximo dia 15 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.