Susana Costa na final do triplo salto, campeã Mamona de fora

A portuguesa Susana Costa qualificou-se esta quarta-feira para a final do triplo salto dos Europeus de atletismo, enquanto Patrícia Mamona, que defendia o título em Berlim, e Lecabela Quaresma, ficaram fora das 12 que vão lutar pelas medalhas.

Susana Costa saltou 14,17 metros à segunda tentativa, alcançando a sua melhor marca do ano com um vento desfavorável (-1,5 m/s), e fez o décimo melhor registo da qualificação, garantindo uma vaga na final agendada para sexta-feira. No primeiro ensaio, fez 13,80.

Numa sessão em que se qualificavam as atletas acima de 14,05 ou as 12 melhores, Patrícia Mamona, campeã em 2016, fez 13,92 no seu melhor salto, o terceiro, o que a deixou no 16.º lugar final, depois de ter começado com 12,64 e 13,81.

Lecabela Quaresma, que abriu com um nulo e fez depois 13,71, melhorou também no último salto, mas o registo de 13,87 metros deixou-a longe da final, no 19.º lugar.

A grega Paraskevi Papahrístou, medalha de bronze em 2016, fez a melhor marca da qualificação, com 14,49 na sua única tentativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.