Portugal sem Pablo Pichardo nos Europeus de Atletismo

O triplo saltador Pedro Pablo Pichardo está definitivamente de fora dos Campeonatos Europeus de atletismo, que se realizam a partir desta segunda-feira em Berlim e que contam com a presença de 34 portugueses

"A Associação Europeia de Atletismo condicionou a participação do atleta a uma resposta positiva da federação internacional (IAAF)", que teria forçosamente de chegar até três horas antes da reunião técnica, às 18:30 de Berlim, "o que não veio a acontecer, pelo que o atleta não irá participar na competição", disse à Lusa o departamento de comunicação da Federação Portuguesa de Atletismo.

O atleta de origem cubana adquiriu nacionalidade portuguesa somente em dezembro de 2017 e a sua participação estava condicionada a essa decisão, embora a FPA tenha feito preventivamente a sua pré-inscrição.

Na ausência do atleta do Benfica, atual recordista nacional do triplo salto, a participação portuguesa na especialidade continuará contar com Nelson Évora, campeão olímpico em 2008 e campeão mundial em 2007, faltando-lhe ainda o título de campeão europeu ao ar livre, para o qual é um dos principais favoritos.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.