Liliana Cá foi sétima em dramática final do disco

Portuguesa relegou compatriota Irina Rodrigues para a nona posição na final do lançamento do disco, nos Europeus de atletismo em Berlim

Liliana Cá e Irina Rodrigues viram-se a lutar entre ambas pelo apuramento para os três lançamentos finais, precisamente na última ronda dos três primeiros lançamentos.

Irina Rodrigues tinha conseguido lançar a 58,00 metros (marca que chegou a dar-lhe o terceiro lugar ao segundo ensaio), e Liliana Cá, no último lançamento da ronda inicial, depois de dois nulos, alcançou 58,01 metros, eliminando a compatriota. As duas portuguesas abraçaram-se na pista, a chorar, e Liliana Cá continuou em prova.

Depois, ao quinto ensaio, Liliana melhorou parra 58,91 metros e subiu para o sétimo lugar, numa prova em que a croata Sandra Perkovic lançou 67,62 metros, garantindo assim o seu quinto título europeu consecutivo desde 2010, impedindo uma tripla alemã. A segunda foi a germânica Nadine Muller (63,00) e a terceira foi Shanice Craft (62,46).

"Este sétimo lugar deixa-me feliz, mas tenho de confessar que estava à espera de melhor, queria mesmo fazer o meu recorde pessoal", afirmou Liliana Cá.

Sobre a luta com Irina Rodrigues, o desfecho de a ter "empurrado" para fora dos três últimos ensaios deixou-a triste, com ambas abraçadas na pista após esse desfecho.

"Pois, estou feliz por ter estado na fina e ser sétima, mas triste por ela, por ter sido eu. Queria tanto que fossemos as duas aos lançamentos finais. Mas ali era eu ou ela", referiu.

Já na final, sem a compatriota, Liliana Cá estava finalmente na nata dos lançamentos europeus.

"Senti que estava ali por pleno direito e a meio senti que todas podíamos chegar às medalhas. E todas nós melhorámos em relação ás marcas da qualificação, por isso foi renhida esta final", notou.

"Este resultado dá-me mais motivação para trabalhar mais, o resultado que me deixa entrar no Plano de Preparação Olímpica vai ajudar-me em coisas fundamentais, como aquisição de material para treinar, que é o que mais nos preocupa", concluiu a atleta.

Irina Rodrigues: "Foi pura competição"

Já Irina Rodrigues cumpriu o seu sonho de chegar à final de uma grande competição, mas ainda não foi desta que conseguiu ser totalmente feliz.

"Estou contente por estar numa final de uma grande competição, especialmente nos Europeus. Acho que já foi bom, mas não foi ainda o que queria", referiu a atleta.

Sobre o momento em que se viu afastada pelo terceiro lançamento de Liliana Cá, Irina Rodrigues diz que "foi pura competição".

"Ela tinha de lutar por aquele lugar e foi o que fez. Estou contente por ela", completou Irina Rodrigues, que vai competir campeonatos Ibero-Americanos, em Trujillo (Peru), de 24 a 26 de agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.