Evelise Veiga feliz com estreia "excelente" no comprimento

Portuguesa terminou em oitavo lugar na final do salto em comprimento dos Campeonatos Europeus de atletismo, com a marca de 6,47 metros

Foi uma luta enorme para a segunda portuguesa de sempre a chegar a uma final do salto em comprimento depois de Naide Gomes - que na sua estreia, em 2002, em Munique, foi décima com a marca de 6,23 metros, depois de ter saltado 6,33 na qualificação.

"Ainda não caí em mim. Ser oitava na final do salto em comprimento, na minha estreia, é excelente. Fazer melhor na estreia do que ela [Naide Gomes] significa que tenho ainda muito para trabalhar, muito que ouvir toda a equipa que trabalha comigo, especialmente a minha treinadora [Cátia Ferreira]", disse.

Evelise Veiga tinha conseguido o acesso à final graças ao salto de 6,61 metros na qualificação, igualando o recorde nacional de sub-23.

"Este resultado traz muita motivação para o futuro. Quero chegar à final do próximo Mundial e daqui por dois anos quero estar nos Europeus a lutar pelas medalhas. Hoje acreditei que podia lutar por isso até ao último salto", referiu.

"Esta época conseguimos cumprir e até superar todos os objetivos a que nos propusemos. Agora é continuar a trabalhar e traçar novas metas a alcançar", concluiu a atleta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.