Atletas quenianos dominam meia maratona do Porto

Os quenianos Mike Kiptum Boit, com 01:00:53 horas, e Susan Kipsang Jeptoo, com 01:11.06, venceram a 12.ª edição da prova da Invicta

Em masculinos, a prova do Porto foi dominada pelos quenianos, que acabaram por preencher os primeiros quatro lugares, enquanto em femininos aquele país africano conseguiu também os dois primeiros lugares do pódio.

Luís Saraiva, do Sporting de Braga, foi o primeiro dos portugueses, no 13.º lugar, com 1:07.23 horas, menos dois segundos do que José Moreira (Sporting) e menos 26 do que João Almeida, que lhe sucederam na classificação.

Em femininos, Susana Godinho (Sporting) foi a melhor portuguesa, terminando no sétimo lugar, com o tempo de 1:18.47 horas, seguida de Andreia Cunha, com 1:23.55 horas, e de Diana Almeida (Sporting), com 1:25.00.

O recorde da prova masculino foi estabelecido em 2011 por Zersenay Tadese (Eritreia) e é de 59.30 minutos, enquanto em femininos foi fixado em 2017 pela queniana Monica Jepkoech, com a marca de 01:09.23 horas.

Participaram na prova atletas dos cinco continentes, com África representada por 10 países, a Ásia com seis, a América com 11, a Europa com 22 e a Oceânia com um.

Classificações:

Masculinos:

1. Mike Kiptum Boit (Quénia), 1:00:53 horas

2. Abraham Kasongor Kapecha (Quénia), 1:01.19

3. Ishamael Chelanga Kalale (Quénia), 1:02.00

...

13. Luís Saraiva (Sp.Braga), 1:07.23

14. José Moreira (Sporting), 1:07.25

15. João Almeida, 1:07.49

Femininos:

Susan Kipsang Jeptoo (Quénia), 1:11.06 horas

2. Sharon Jemutai Cherop (Quénia) 1.11:09

3. Juliet Chekwel (Uganda), 1:11.55

...

7. Susana Godinho (Sporting), 1:18.47

8. Andreia Cunha, 1:23.55

9. Diana Almeida (Sporting), 1:25.00

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.