Associação Europeia de clubes diz que UEFA prepara uma terceira competição

Andrea Agnelli, presidente da ECA, disse que a prova está "dependente de aprovação" do comité executivo do órgão que tutela o futebol europeu

A UEFA está a preparar uma terceira competição a partir de 2021, revelou esta terça-feira o presidente da Associação Europeia de Clubes (ECA), o italiano Andrea Agnelli.

O dirigente disse que o plano está "dependente de aprovação" do comité executivo da UEFA e contou que serão 96 os participantes envolvidos nas provas da UEFA, juntamente com a Liga dos Campeões e Liga Europa.

Uma opção poderá ser expandir a Liga Europa, acrescentando-lhe 16 equipas para uma fase de grupos a 64, sendo outra a de criar uma prova diferente, o que faria com que as três provas tivessem cada uma 32 equipas.

Agnelli, que é também presidente da Juventus, equipa de Cristiano Ronaldo, é igualmente membro do comité executivo da UEFA, cuja próxima reunião está agendada para 27 de setembro em Nyon, Suíça.

Há duas semanas, no Mónaco, UEFA assumiu que "há várias ideias" a serem analisadas em comités que incluem membros da ECA, embora o presidente, Aleksander Ceferin, refira que as propostas "estão apenas em discussão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.