As tragédias de avião que abalaram o mundo do futebol

Numa altura em que são poucas as esperanças relativamente ao desaparecimento do avião onde viajava o jogador Emiliano Sala, recorde os maiores desastres de avião envolvendo equipas de futebol

O desaparecimento do avião que transportava o avançado argentino Emiliano Sala, de 29 anos, quando o jogador fazia a viagem de regresso do Reino Unido para França (tinha assinado contrato com o Cardiff, da Premier League), na segunda-feira à noite, é mais uma tragédia (apesar de o avião ainda não ter sido encontrado) a juntar-se a dezenas de outros desastres de aviação que envolveram clubes de futebol e dirigentes. Da tragédia que vitimou a equipa italiana do Torino, depois de um jogo com o Benfica (1949), passando pelo acidente com o avião que transportava jogadores do Manchester United (1958) e mais recentemente o drama dos brasileiros da Chapecoense (2016), recorde os acidentes de avião mais trágicos da história do futebol.

4 de maio de 1949 - A tragédia que vitimou o Grande Torino

O avião da companhia Avio Linee Italiane que transportava a equipa italiana do Torino regressava a Itália, depois de a equipa ter disputado um jogo particular com o Benfica, no Estádio da Luz. Em consequência do nevoeiro, a aeronave acabou por despenhar-se sobre o campanário da Basílica de Superga, em Turim. Morreram 31 pessoas, entre as quais 18 jogadores e cinco elementos da equipa técnica. Perante a dimensão da tragédia, a federação italiana decidiu entregar o título de campeão dessa temporada ao Torino, algo que foi recusado pelos responsáveis do clube, que fizeram questão de jogar as últimas jornadas com a equipa de juniores. Por respeito, os adversários seguiram o mesmo exemplo e o Grande Torino acabou por conquistar o título de campeão.

6 de fevereiro de 1958 - O dia mais negro da história do Manchester United

O voo BE609, da companhia Britânica British Airways, que transportava jogadores e dirigentes do Manchester United, e ainda jornalistas e adeptos, despenhou-se depois de apanhar uma tempestade de neve quando tentava descolar pela terceira tentativa do Aeroporto de Munique-Riem, na Alemanha. O Manchester United estava a regressar de Belgrado, onde tinha defrontado o Estrela Vermelha em jogo da Taça dos Campeões Europeus, e tinha parado em Munique para abastecer. Morreram 23 pessoas, entre as quais oito jogadores da equipa de futebol dos red devils - Roger Byrne, Eddie Colman, Duncan Edwards, Mark Jones, David Pegg, Tommy Taylor, Billy Whelan e George Bent. Entre os sobreviventes estava Bobbby Chalton, uma das maiores lendas do clube.

16 de julho de 1960 - Drama a caminho dos Jogos Olímpicos

O avião que transportava alguns jogadores da seleção da Dinamarca que ia participar nos Jogos Olímpicos de 1960, em Itália, despenhou-se sobre a cidade de Oresund, depois de ter descolado de Copenhaga. Os oito atletas morreram num acidente e só o piloto da aeronave sobreviveu.

3 de abril de 1961 - Equipa chilena despenha-se nos Andes

O avião (Douglas DC3) que transportava 24 pessoas, incluindo os treinadores e jogadores do Green Cross, na altura um dos clubes mais famoso do Chile, caiu no Andes, num acidente em que não houve sobreviventes. A equipa voltava para a cidade de Santiago após um jogo disputado no sul do Chile, frente ao Osorno, dividida em dois aviões. Na aeronave que se despenhou nos Andes estavam oito jogadores. O clube nunca mais se conseguiu erguer desta tragédia e acabou por fechar as portas em 1984.

26 de setembro de 1969 - A catástrofe que abalou o The Strongest

A equipa de futebol boliviana do The Strongest regressava a casa (La Paz) depois de disputar um torneio amigável em Santa Cruz de la Sierra. O avião em que seguiam, um Douglas DC-&B, despenhou-se numa região montanhosa conhecida como La Cancha, em Viloco, vitimando todos os 69 passageiros, entre os quais 17 jogadores do The Strongest e vários elementos da equipa técnica e dirigentes. Os destroços do avião só foram encontrados no dia seguinte e as operações de resgate duraram semanas, dado tratar-se de um local de muito difícil acesso.

11 de agosto de 1979 - Choque nos céus da Ucrânia

A equipa de futebol do Pakhtakor Tashkent, do Uzbequistão, viajava rumo a Minsk, para defrontar a equipa local. Mas quando sobrevoavam a Ucrânia, a aeronave chocou contra outro avião. O terrível acidente causou um total de 178 mortes, entre eles 14 jogadores do clube uzbeque e três elementos da equipa técnica.

8 de dezembro de 1987 - O desastre da equipa do Alianza Lima

O avião Fokker F27 que transportava a equipa de futebol do Alianza Lima caiu no Oceano Pacífico, entre o distrito de Ventanilla e a cidade de Callao, no Peru, quando estava próximo de aterrar no aeroporto Jorge Chávez. Morreram 43 pessoas, entre elas todos os jogadores e equipa técnica do emblema peruano, e ainda oito dirigentes e o trio de arbitragem. A equipa regressava a casa depois de ter disputado um jogo do campeonato com o Deportivo Pucallpa.

7 de junho de 1989 - Nevoeiro traiçoeiro no Suriname

Uma grupo de jogadores de Suriname que jogavam em equipas profissionais na Holanda formaram uma equipa, a que chamaram de Colorful 11, para realizarem um mini-torneio no seu país natal, sendo que para alguns desses atletas era a primeira vez que voltavam à sua terra depois de emigrarem para a Europa. O avião que viajava de Amesterdão para o aeroporto de Paramaribo, onde chegava já de noite, acabou por chocar contra umas árvores, quando já iniciara as manobras de aterragem, por causa do nevoeiro muito denso que dificultou a visibilidade. Das 187 pessoas a bordo, morreram 178 passageiros (15 dos 18 jogadores), nove tripulantes e ainda um cão que mais tarde foi batizado de Lucky (Sortudo).

27 de abril de 1993 - Zâmbia perde a geração dourada

Um avião da Força Aérea da Zâmbia transportava a seleção nacional daquele país caiu no Oceano Atlântico, a 500 metros da costa, pouco depois de uma escala técnica em Libreville, no Gabão, quando viajavam para Dacar, no Senegal, onde iriam fazer um jogo com a seleção local, a contar para a qualificação para o Mundial de 1994. Acabaram por morrer os 30 ocupantes da aeronave, tendo o futebol zambiano perdido aquela que era conhecida como a sua geração dourada. Curiosamente, Kalusha Bwalya, a principal estrela da equipa que jogava no PSV Eindhoven, não se encontrava no avião por ter sido autorizado a fazer a viagem por sua conta. Outro dos principais jogadores da equipa, Charly Musonda, que alinhava no Anderlecht, foi dispensado da viagem porque se encontrava lesionado. As causas do acidente estariam relacionadas com uma falha no motor.

28 de novembro de 2016 - Falta de combustível trai Chapecoense

A equipa de futebol brasileiro Chapecoense viajava para Medellin, na Colômbia, para disputar a primeira mão da final da Copa Sul-Americana, equivalente à Liga Europa, quando o avião da companhia Lamia embateu numa serra chamada Cerro del Gordo, quando já fazia a aproximação ao aeroporto Rionegro. Das 77 pessoas que seguiam a bordo, morreram 71, entre tripulação, jogadores, treinadores, dirigentes, convidados do clube e jornalistas. Sobreviveram ao acidente três jogadores - Alan Ruschel, Jakson Follmann e Neto - a comissária de bordo Ximena Suárez, o jornalista Rafael Henzel e o técnico de voo Erwin Tumiri. Entre as vitimas mortais estava o treinador Caio Júnior, que tinha jogado em Portugal no Estrela da Amadora e no V. Guimarães. As causas do acidente foram relacionadas com a falta de combustível da aeronave.

27 de outubro de 2018 - Queda do helicóptero do dono do Leicester

O proprietário do Leicester, Vichai Srivaddhanaprabha, e outras quatro pessoas morreram quando o helicóptero que abandonava o Estádio King Power, depois de um jogo dos foxes com o West Ham, a contar para a Premier League. Após levantar no relvado, o aparelho caiu no parque de estacionamento, incendiando-se em seguida. O momento do embate foi presenciado pelo guarda-redes Kasper Schmeichel que, desesperado, ainda tentou ir em socorro das vítimas. O dono do Leicester ficou ligado à conquista do único título de campeão inglês do clube, dois anos antes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".