As razões da pancadaria após a final entre Khabib e McGregor

As relações entre as equipas dos dois lutadores terminaram após incidentes graves numa discoteca de Moscovo.

Dentro do ringue, mal ou bem, Khabib Nurmagomedov venceu Conor McGregor na final de peso-leve no UFC. E logo a seguir o vencedor saltou para fora do octógono em perseguição do parceiro de treino do irlandês, Dillan Dennis, enquanto três elementos da equipa do lutador russo entraram no recinto de luta para agredirem McGregor, instalando-se a confusão generalizada na T-Mobile Arena, em Las Vegas, nos EUA.

Inclusivamente, como consequência disso, o presidente do UFC, Dana White, decidiu não proceder à entrega do cinturão de campeão a Khabib, por razões de segurança.

Mas, afinal, quais foram as razões que levaram à atitude do russo? Antes deste combate já se tinham verificado alguns momentos de tensão. Em abril passado, o irlandês atacou o autocarro onde seguia Nurmagomedov, à saída do Barclays Center de Nova Iorque, arremessando vários objetos pesados contra os vidros, o que provocou mesmo ferimentos em alguns dos lutadores que estavam dentro da viatura. Na pesagem anterior ao combate, McGregor também tinha tentado atingir o russo com um pontapé.

Contudo, ao que parece, a razão fundamental prende-se com uma altercação verificada a 16 de dezembro do ano passado numa discoteca em Moscovo. Nesse dia Artem Lobov, um dos melhores amigos de McGregor, deslocou-se ao seu país, a Rússia, com o seu colega de equipa, Peter Queally tendo combinado uam saída nocturna com mais dois lutadores, Ali Bagautinov e Rasul Mirzaev.

Nessa noite, amigos de Khabib abordaram Lobov e restantes companheiros de diversão dizendo que McGregor estava a esquivar-se ao combate com Khabib Nurmagomedov. Rasul Mirzaev chegou a ser a atingido na cabeça por parte de um desses amigos de Khabib. Duas semanas depois o mesmo Mirzaev foi baleado e esteve à beira da morte.

E nesse dia... as equipas de e um e outro lutador romperam relações de vez e quiçá de forma irreversível.




Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.