As cidades esquecidas estão no roteiro dos turistas deste Mundial

Lembra-se quando esteve no topo da Basílica da Estrela ou na Torre dos Clérigos? Siga, então, o roteiro dos turistas do Mundial e descubra o que esteve sempre à frente do seu nariz

Nestas últimas semanas, o Terreiro do Paço, em Lisboa, é um palco de um festival internacional com sucessivas atuações. Saem uruguaios e portugueses, entram espanhóis e russos. Saem espanhóis e russos e entram brasileiros e mexicanos. Saem esses e entram outros, tem sido assim sempre. Cada grupo apresenta o seu de show de bola para depois desaparecer e dar lugar ao que se segue.

São atores em cima do palco. Entram, desempenham o seu papel de adeptos e saem de cena. Nunca mais os vemos. Apetece perguntar por onde andam e o que fazem quando não estão a representar a sua seleção. Deve ser essa a curiosidade que move as revistas cor-de-rosa, sempre atrás do jet set, mas de facto é difícil controlar o impulso coscuvilheiro perante tanto forasteiro que aparece na Arena Portugal e desaparece pela cidade.

O que vale é que Wesley Harris, adepto inglês da cidade de Manchester, não tem qualquer problema em revelar a sua vida privada de turista: "Além de Lisboa, já estive no Porto, em Sintra e em Coimbra." Correu tasquinhas, igrejas e museus desde zona ribeirinha até à foz do Douro, subiu ao ponto mais ocidental da Europa, no Cabo da Roca, em Sintra, e entrou na Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra.

Petar Stjepanić, adepto da Croácia, vive em Zagreb e aterrou há uma semana em Lisboa. Quando não está a ver a bola, gosta de subir e descer os pontos mais altos e baixos da cidade: "Estive no Castelo de São Jorge, desci ao reservatório de água no Jardim do Príncipe Real, andei pelas ruínas do Carmo e subi ao topo da Basílica da Estrela."

O que este inglês e este croata têm para contar não são mais do que postais ilustrados que um português já nem liga muito. Por entre os que assistem à meia-final entre Croácia e Inglaterra, há turistas típicos à procura de lugares típicos. Ouviram fado nos bairros históricos, esperaram para entrar na Torre dos Clérigos, no Porto, ou no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, visitaram o Panteão Nacional, beberam vinho do Porto, comeram pastéis de Belém, passearam pelos jardins de Serralves e descobriram até a Quinta da Regaleira, em Sintra.

Clichés, no fundo, capazes de soltar bocejos a alfacinhas, tripeiros ou sintrenses. Há, porém, qualquer coisa no olhar deslumbrado deles que nos põe a pensar. "Do que gostei mais até agora foi do reflexo da Ponte D. Luís no rio Douro ao entardecer, conta Jonathan Scott, adepto da seleção inglesa. Dá vontade de deixar o futebol para mais tarde, pegar no roteiro destes turistas e voltar a descobrir o que sempre esteve à frente do nosso nariz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.