As aves raras também estiveram com Portugal

Argentinos estiveram por entre a multidão de adeptos a sofrer também por Portugal. E até um uruguaio que ficou feliz com a vitória, mas gostava de ver a seleção portuguesa ir mais longe

Como se sente um adepto do Uruguai esmagado por torcedores vindos de todos os cantos de Lisboa e arredores? "Lindamente! - responde Marcel Pérez sem se atrapalhar - e melhor ainda se ganharmos." É preciso, antes de tudo, esclarecer que o otimismo deste uruguaio de Montevideu está no patamar mais alto muito antes das duas seleções entrarem em campo. Os momentos que antecedem um grande jogo como Portugal - Uruguai são sempre os que mais expectativa provocam. Nada estava ainda decidido, o desafio era uma folha em branco à espera de um final feliz para um dos lados. E o final feliz acabou por rebolar até à baliza do lado dele, fazendo deste uruguaio uma ave rara a festejar por entre dezenas de milhares de portugueses desencantados por a festa do Mundial 2018 acabar aqui.

As "ganas de ganar", contudo, não o impediram de guardar algum fair-play para os adversários. Afinal, ele é quase um deles. A trabalhar há um ano e meio em Lisboa, já colecionou amigos trajados com a camisola de Ronaldo e de Quaresma suficientes para torcer também pela seleção de Fernando Santos. Desde que o confronto não seja contra o país dele: "Obviamente!". Não foi o caso, "obviamente", e, por isso, durante a partida foi cada um por si. E ele sozinho a sonhar com a sua seleção nas finais deste campeonato.

E o que faz do lado oposto da Praça do Comércio um grupo de argentinos no meio de cachecóis e bandeiras de Portugal? A derrota com a França, pelos vistos, não lhes tirou a vontade de abandonar o Mundial "O jogo para nós acabou", diz desalentado Martín Camargo. E agora, só para não dar a viagem por perdida, continuam no Terreiro do Paço para apoiar a equipa portuguesa: "Estamos convosco na vitória ou na derrota se for este caso", diz o argentino.

Dá vontade de perguntar logo de seguida onde está a solidariedade para com um povo irmão. Pelos vistos, os dois países, unidos pelo rio Prata, partilham a mesma língua e o mesmo continente, mas andam sempre às turras. "As rivalidades com o Uruguai são ancestrais, não só no futebol, mas também noutros campeonatos, como cultura, gastronomia e as disputas comerciais", explica o argentino.

Esta noite, houve argentinos a passarem-se para o lado da seleção portuguesa. Nesta hora difícil, bem que sabe o apoio de todos e de mais alguns. Não é que seja o suficiente para tirar "este sabor amargo da derrota", diz António Filinto, que entretanto se juntou ao grupo de argentinos. Para o próximo Mundial, haverá "mais jogos para ganhar". Esperar quatro anos pela próxima oportunidade é tempo suficiente para "esquecer tudo e voltar a acreditar", remata o adepto de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.