Arturo Vidal no Barcelona para "vencer a Liga dos Campeões"

Médio chileno trocou o Bayern Munique pelo Barcelona aos 31 anos

"Vim para ganhar a Liga dos Campeões. É algo que tenho ainda pendente na carreira", disse o jogador, que foi campeão italiano três vezes pela Juventus e quatro na Alemanha pelos bávaros.

O chileno, de 31 anos, que se comprometeu por três épocas, mereceu um investimento de 19 milhões de euros por parte da "melhor equipa do mundo" e que foi a responsável por lhe roubar o sonho em 2015, quando venceu a Juventus na final da 'Champions', por 3-1.

"Estou muito feliz por chegar ao Barcelona, a melhor equipa do mundo, na qual estão os melhores. Venho com muita fome de conquistar coisas importantes e oxalá que nestes três anos possamos vencer todos os títulos que tivermos para disputar. Vou deixar tudo em campo, com a melhor energia e todo o coração", vincou.

Arturo Vidal, que realizou na manhã desta segunda-feira os testes médicos, sublinhou o empenho em "dar muitas alegrias aos adeptos do Barcelona", manifestando o desejo de vencer três Ligas dos Campeões no período no qual vai estar vinculado aos catalães.

O chileno reconheceu que representar o Barcelona é "subir um nível em relação ao Bayern" e assegurou estar "em forma" depois de quatro meses de 'baixa' após uma operação ao joelho direito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.