Muro leonino vale empate com o Arsenal e deixa apuramento mais perto

Leões apostaram numa postura defensiva durante todo o jogo e viram a tática premiada. Arsenal já está apurado para os 16 avos de final. Ao Sporting basta-lhe vencer o próximo jogo com o Qarabag

O Sporting empatou (0-0) esta quinta-feira no Emirates com o Arsenal e ficou muito bem lançado para se apurar para os 16 avos de final da Liga Europa, bastando aos leões vencer o próximo jogo fora com o Qarabag (dia 28) para selar a qualificação para a fase seguinte da prova. Tiago Fernandes arriscou e montou um equipa claramente defensiva, mas acabou por sair premiado, numa partida que permitiu ao clube de Alvalade colocar um ponto final em 26 jogos como visitante sempre a sofrer golos - a última vez que tinham marcado fora de casa foi em outubro de 2017, diante do Rio Ave.

O historial de confrontos fora do Sporting com clubes ingleses deixava antever um cenário pouco animador. Em jogos oficiais, os leões só tinham ganho por duas vezes em Inglaterra (Middlesbrough, 3-2, em 2005 e Southampton, 4-2, em 1981). Nos restantes foram nove derrotas e quatro empates.

Por outro lado, o nome do adversário impunha respeito. O Arsenal, atual quinto classificado da Liga inglesa, estava há 14 (!) jogos sem perder. E há duas semanas tinha ganho em Alvalade pela margem mínima (golo de Danny Welbeck). Uma equipa renovada, agora sob as ordens do espanhol Unai Emery, depois de Wenger ter deixado o clube no verão após 22 anos no comando dos gunners.

Tiago Fernandes, o treinador interino dos leões, surpreendeu no onze que colocou de início no Emirates, com o jovem Miguel Luís no meio-campo (estreia em provas europeias) no lugar de Battaglia e ao lado de Gudelj, e Diaby a formar dupla com Montero no ataque em vez de Bas Dost. Acuña, que no triunfo com o Santa Clara tinha jogado mais adiantado, recuou para defesa esquerdo. Do lado do Arsenal, Unai Emery deixou o goleador Aubameyang no banco e nem sequer convocou Ozil e Lacazette.

A primeira parte foi fraquinha. O Sporting jogou com um bloco demasiado baixo, a defender muito perto da área. Da parte do Arsenal, apesar do domínio intenso em termos de posse de bola (69%), a verdade é que escassearam as oportunidade de golo. O melhor lance de perigo dos ingleses surgiu aos 17 minutos, quando Guendouzi centrou e Mathieu quase fez autogolo, valendo o corte providencial de Coates. Do Sporting nem um lance de perigo para amostra. Os leões apostavam claramente no acerto defensivo e nem um canto ganharam no primeiro tempo.

A segunda parte começou praticamente com uma oportunidade para o Arsenal, com Aubameyang a atirar à malha lateral da baliza defendida por Renan. O Sporting respondeu logo a seguir (o primeiro lance de perigo relativo), com Diaby a surgir na área dos gunners a rematar à meia volta, mas bola foi cortada por Jenkisson. O intervalo pareceu ter feito bem às duas equipas. Houve mais velocidade e um Sporting um pouco atrevido e solto a surgir em zonas de finalização. Mas neste período voltou a ser o Arsenal a criar perigo, aos 58', com Aubameyang a acertar novamente na malha lateral.

Aos 69 minutos, Montero saiu lesionado e entrou Bas Dost. Mas o holandês praticamente não se viu, pois o Arsenal intensificou a pressão e o Sporting voltou a recuar para defender o empate. Bem perto do final, os leões ficaram reduzidos a 10, por expulsão de Mathieu (a segunda expulsão ao serviço do Sporting), que travou Aubameyang à entrada da área. Foram minutos de algum sofrimento, mas a partida terminou sem golos, numa partida em que os leões apenas ganharam um canto (contra sete do Arsenal) e não fizeram um único remate enquadrado à baliza do Arsenal.

Com o triunfo do Qarabag diante do Vorskla, o Arsenal ficou já apurado para os 16 avos de final. E o Sporting muito perto de o conseguir - basta vencer o próximo jogo. Já agora, Tiago Fernandes, o treinador interino dos leões, ainda não perdeu - depois do triunfo diante do Santa Clara para a I Liga, esta quinta-feira empatou com o poderoso Arsenal.

FICHA DE JOGO

Estádio Emirates, em Londres.

Arsenal-Sporting, 0-0.

Arsenal: Cech, Liechtsteiner (Maitland-Niles, 74), Sokratis, Holding, Jenkinson (Kolasinac, 60), Guendouzi, Ramsey, Iwobi, Mkhitaryan, Smith Rowe e Welbeck (Aubameyang, 30).

Treinador: Unai Emery.

Sporting: Renan Ribeiro, Bruno Gaspar, Coates, Mathieu, Acuña, Gudelj, Miguel Luís (Petrovic, 85), Diaby (Jovane Cabral, 83), Bruno Fernandes, Nani e Montero (Bas Dost, 69).

Treinador: Tiago Fernandes.

Árbitro: Gediminas Mazeika (Lituânia).

Ação disciplinar: cartão amarelo para Liechtsteiner (21), Bruno Gaspar (41), Acuña (67), Guendouzi (71) e Miguel Luís (74); cartão vermelho para Mathieu (85).

Assistência: cerca de 45.000 espetadores

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.