Argentinos batizam touro de 920 quilos de Mbappé

Jovem francês foi o grande responsável pela eliminação da Argentina do Mundial. Mas nem por isso deixou de ser alvo de uma homenagem

O campeão do Mundo Kylian Mbappé foi o carrasco da seleção Argentina no jogo dos oitavos-de-final do Mundial da Rússia, ao marcar dois golos e ao fazer uma assistência na vitória da França por 4-3 que mandou a equipa de Messi mais cedo para casa.

Pois bem, numa espécie de homenagem ao futebolista de 19 anos que foi eleito o melhor jovem do Mundial logo a seguir à final em que a França venceu a Croácia, os argentinos decidiram batizar um touro de 920 quilos (!) com o nome do jogador do Paris-Saint Germain, conhecido pelo seu grande talento e também pela força e velocidade com que se entrega ao jogo.

O touro de 920 quilos (só para se ter uma ideia, nas touradas portuguesas pesam em média 600 quilos) é um dos exemplares que estará em exposição na Sociedade Rural Argentina, em Buenos Aires, que reúne alguns dos empresários da área mais poderosos do país conhecido por ter uma das melhores carnes do Mundo, noticia o jornal venezuelano El Universal.

E com o nome de batismo que recebeu, não custa acreditar que será uma das sensações da exposição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.