Árbitros ponderam boicote aos jogos de Serena Williams

Informação é avançada pelo diário britânico Times, citando um dirigente sob anonimato. Tenista atacou árbitro português na final do US Open

O ataque de Serena Williams a Carlos Ramos e a crucificação pública ao árbitro português por parte de algumas entidades do ténis deixou indignados os juízes, que, segundo informação do Times, ponderam mesmo um boicote às partidas da tenista norte-americana.

Citando um dirigente da arbitragem, sob anonimato, o jornal britânico refere que "há um consenso entre os árbitros de que Carlos Ramos foi atirado aos lobos simplesmente por fazer o seu trabalho" e que "os juízes estão a debater se devem ou não tomar uma posição em defesa do seu trabalho".

Uma das propostas em análise é, segundo a fonte citada pelo Times, "uma recusa a arbitrar partidas de Serena Williams enquanto ela não pedir desculpa por ter chamado ladrão e mentiroso a Carlos Ramos".

Os árbitros ficaram desiludidos também com as intervenções públicas da WTA (associação que gere o circuito feminino) e da USTA (federação de ténis norte-americana), que suportaram as acusações de sexismo proferidas por Serena Williams em relação aos castigos aplicados pelo árbitro português.

Os árbitros ficaram desiludidos também com as intervenções públicas da WTA e da USTA na defesa de Serena

Recorde-se que durante a final feminina do US Open, vencida pela japonesa Naomi Osaka, Carlos Ramos puniu Serena por receber instruções do treinador (primeira infração), por bater com a raquete em protesto (segunda infração, perda de um ponto) e por chamar "ladrão" ao árbitro (terceira infração, penalizada com a perda de um jogo).

Na sequência do incidente, a WTA, através do diretor Steve Simon, suportou as acusações de sexismo dirigidas por Serena e sugeriu que Ramos não teria agido da mesma forma perante um tenista de top masculino. Também a USTA, através da diretora Katrina Adams, defendeu Serena lembrando que "os jogadores masculinos passam a vida a criticar o árbitro durante as trocas de campo e nada lhes acontece".

Entretanto, houve também quem viesse a público criticar a atitude de Serena Williams, como o ex-árbitro Richard Ings ou a antiga campeã Martina Navratilova.

A Federação Internacional de Ténis (ITF) emitiu um comunicado a defender a atuação do português Carlos Ramos. "É compreensível que este incidente grave e lamentável provoque um debate. Mas é importante recordar que o senhor Ramos assumiu as suas funções como funcionário de acordo com o regulamento correspondente e atuou sempre com profissionalismo e integridade", afirmou a ITF.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.