Aproveitar o intervalo para dar uns toques na bola

Na Arena Portugal, o convívio é tão animado como nos relvados da Rússia

Não terá mais de 13 anos e vai-se embora, sorridente, mal começa a segunda parte da partida deste domingo entre Espanha e Rússia, a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018. A bola com que se recreara durante o intervalo fica. "Não sei quem ele é. Apareceu e quis jogar", conta Oliver, 23 anos, sentado no relvado da Arena Portugal, em Lisboa.

É francês e, tal como os dois compatriotas que o acompanham, trabalha num call center da capital. A camisola do Real Madrid que um deles veste indicia por quem torcem. "A Espanha é a melhor equipa", justifica Oliver, antes de elogiar o facto de, no Terreiro do Paço, se juntarem pessoas de todas as nacionalidades para assistirem aos jogos que, até 15 de julho, se disputam na Rússia. "É esse o espírito do futebol", remata.

Em Lisboa, o desportivismo é regra... mas nem sempre de forma inocente. "Quero que ganhe a Espanha para que o Brasil lhe ganhe na final", admite Érico, brasileiro de 30 anos, enquanto aguarda na fila para os comes e bebes que confortam quem sofre com o que se passa na outra ponta da Europa.

É de lá que é Andrei, turista russo na capital na companhia da mulher e da filha, de sete meses. A tenra idade fá-la preferir a sesta ao futebol e, por isso, assiste ao desempenho da sua seleção sozinho, entre um mar de adeptos espanhóis. Em Moscovo, onde decorre a partida, é diferente: os seus compatriotas estão em maioria.

"Pode ser que deem força à equipa", diz, "moderadamente confiante", numa altura em que decorria ainda o intervalo e as duas equipas empatavam a um golo. E não se enganou: após 90 minutos de tempo regulamentar e meia-hora de prolongamento em que os eslavos resistiram ao poderio espanhol, a Rússia eliminou este domingo, nas grandes penalidades, a Espanha do Mundial 2018.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.