Aproveitar o intervalo para dar uns toques na bola

Na Arena Portugal, o convívio é tão animado como nos relvados da Rússia

Não terá mais de 13 anos e vai-se embora, sorridente, mal começa a segunda parte da partida deste domingo entre Espanha e Rússia, a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018. A bola com que se recreara durante o intervalo fica. "Não sei quem ele é. Apareceu e quis jogar", conta Oliver, 23 anos, sentado no relvado da Arena Portugal, em Lisboa.

É francês e, tal como os dois compatriotas que o acompanham, trabalha num call center da capital. A camisola do Real Madrid que um deles veste indicia por quem torcem. "A Espanha é a melhor equipa", justifica Oliver, antes de elogiar o facto de, no Terreiro do Paço, se juntarem pessoas de todas as nacionalidades para assistirem aos jogos que, até 15 de julho, se disputam na Rússia. "É esse o espírito do futebol", remata.

Em Lisboa, o desportivismo é regra... mas nem sempre de forma inocente. "Quero que ganhe a Espanha para que o Brasil lhe ganhe na final", admite Érico, brasileiro de 30 anos, enquanto aguarda na fila para os comes e bebes que confortam quem sofre com o que se passa na outra ponta da Europa.

É de lá que é Andrei, turista russo na capital na companhia da mulher e da filha, de sete meses. A tenra idade fá-la preferir a sesta ao futebol e, por isso, assiste ao desempenho da sua seleção sozinho, entre um mar de adeptos espanhóis. Em Moscovo, onde decorre a partida, é diferente: os seus compatriotas estão em maioria.

"Pode ser que deem força à equipa", diz, "moderadamente confiante", numa altura em que decorria ainda o intervalo e as duas equipas empatavam a um golo. E não se enganou: após 90 minutos de tempo regulamentar e meia-hora de prolongamento em que os eslavos resistiram ao poderio espanhol, a Rússia eliminou este domingo, nas grandes penalidades, a Espanha do Mundial 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.