Aproveitar o intervalo para dar uns toques na bola

Na Arena Portugal, o convívio é tão animado como nos relvados da Rússia

Não terá mais de 13 anos e vai-se embora, sorridente, mal começa a segunda parte da partida deste domingo entre Espanha e Rússia, a contar para os oitavos-de-final do Mundial 2018. A bola com que se recreara durante o intervalo fica. "Não sei quem ele é. Apareceu e quis jogar", conta Oliver, 23 anos, sentado no relvado da Arena Portugal, em Lisboa.

É francês e, tal como os dois compatriotas que o acompanham, trabalha num call center da capital. A camisola do Real Madrid que um deles veste indicia por quem torcem. "A Espanha é a melhor equipa", justifica Oliver, antes de elogiar o facto de, no Terreiro do Paço, se juntarem pessoas de todas as nacionalidades para assistirem aos jogos que, até 15 de julho, se disputam na Rússia. "É esse o espírito do futebol", remata.

Em Lisboa, o desportivismo é regra... mas nem sempre de forma inocente. "Quero que ganhe a Espanha para que o Brasil lhe ganhe na final", admite Érico, brasileiro de 30 anos, enquanto aguarda na fila para os comes e bebes que confortam quem sofre com o que se passa na outra ponta da Europa.

É de lá que é Andrei, turista russo na capital na companhia da mulher e da filha, de sete meses. A tenra idade fá-la preferir a sesta ao futebol e, por isso, assiste ao desempenho da sua seleção sozinho, entre um mar de adeptos espanhóis. Em Moscovo, onde decorre a partida, é diferente: os seus compatriotas estão em maioria.

"Pode ser que deem força à equipa", diz, "moderadamente confiante", numa altura em que decorria ainda o intervalo e as duas equipas empatavam a um golo. E não se enganou: após 90 minutos de tempo regulamentar e meia-hora de prolongamento em que os eslavos resistiram ao poderio espanhol, a Rússia eliminou este domingo, nas grandes penalidades, a Espanha do Mundial 2018.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.