Eis Fernando Tavares Pereira, o segundo candidato às eleições do Sporting

Empresário garantiu que "todos os sócios do passado ou do presente são bem vindos a Alvalade"... incluindo Bruno de Carvalho. O que motivou aplausos entre os presentes

O empresário da região centro Fernando Tavares Pereira, que apresentou esta quarta-feira a sua candidatura ao Sporting, afirmou que quer um clube estável e "unido" e que respeite todos os sportinguistas, inclusive Bruno de Carvalho.

A candidatura, que tem como lema "Unidos Venceremos", foi esta quarta-feira apresentada em Coimbra, dando resposta a um momento em que o clube "precisa de muita estabilidade, precisa de muito apoio e de tranquilidade", afirmou Fernando Tavares Pereira, empresário natural de Tábua.

"A candidatura nasceu para que haja o rigor necessário no nosso grande clube, no nosso grande Sporting, para que todos juntos possamos fazer a casa que o Sporting merece", afirmou durante a apresentação, que decorreu numa unidade hoteleira.

Para Fernando Tavares Pereira, é necessário "respeitar o passado do Sporting" e "ter-se a hombridade de respeitar todos os presidentes que passaram pelo Sporting".

Questionado por um jornalista se inclui Bruno de Carvalho quando refere que iria contar com todos os sportinguistas, o candidato respondeu que "todos os sócios do passado ou do presente são bem vindos a Alvalade", resposta que motivou aplausos dos adeptos presentes na sala.

Sobre a atual comissão de gestão do clube e a escolha do presidente da SAD, Sousa Cintra, de contratar José Peseiro como treinador, Fernando Tavares Pereira afirmou que se "tem que dar o benefício a quem está neste momento a gerir o Sporting".

"Neste momento, temos que acreditar em quem lá está", acrescentou.

Relativamente à situação financeira do clube, Fernando Tavares Pereira explicou que opta por esperar pelos resultados da auditoria ao Sporting, referindo, no entanto, que pretende um clube "cumpridor e fiável".

Afirmando que é uma candidatura de fora para dentro, sublinhou que vai "tentar dar voz aos núcleos do Sporting" e "tentar fazer com que alguns núcleos possam integrar o Conselho Leonino do Sporting".

A candidatura de Fernando Tavares Pereira conta com o apoio do ex-presidente da Câmara de Loures, Carlos Teixeira, o ex-secretário de Estado Rui Barreiro, o antigo campeão mundial de kickboxing Fernando Fernandes e do antigo ciclista Marco Chagas.

No entanto, a sua lista não terá comissão de honra, porque o Sporting "é de todos, é dos ricos, é dos pobres, sejam pastores de ovelhas, doutores ou engenheiros".

Sobre o facto de ser uma candidatura fora de Lisboa, Fernando Tavares Pereira sublinhou que a candidatura é transversal a todo o país, destacando ainda o sacrifício maior dos sportinguistas fora da capital, que têm de fazer centenas de quilómetros para ver um jogo do clube.

Durante a apresentação, o candidato referiu que vai ter na próxima semana "todas as pessoas necessárias para que a lista esteja completa".

O empresário Pedro Madeira Rodrigues vai concorrer novamente à presidência do Sporting, sendo o terceiro a anunciar a intenção de se candidatar ao ato eleitoral agendado para 08 de setembro.

Fernando Tavares Pereira é o segundo nome, depois de Frederico Varandas, a oficializar a candidatura à presidência do Sporting. Nesta quinta-feira é a vez de Pedro Madeira Rodrigues.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.