Eis Fernando Tavares Pereira, o segundo candidato às eleições do Sporting

Empresário garantiu que "todos os sócios do passado ou do presente são bem vindos a Alvalade"... incluindo Bruno de Carvalho. O que motivou aplausos entre os presentes

O empresário da região centro Fernando Tavares Pereira, que apresentou esta quarta-feira a sua candidatura ao Sporting, afirmou que quer um clube estável e "unido" e que respeite todos os sportinguistas, inclusive Bruno de Carvalho.

A candidatura, que tem como lema "Unidos Venceremos", foi esta quarta-feira apresentada em Coimbra, dando resposta a um momento em que o clube "precisa de muita estabilidade, precisa de muito apoio e de tranquilidade", afirmou Fernando Tavares Pereira, empresário natural de Tábua.

"A candidatura nasceu para que haja o rigor necessário no nosso grande clube, no nosso grande Sporting, para que todos juntos possamos fazer a casa que o Sporting merece", afirmou durante a apresentação, que decorreu numa unidade hoteleira.

Para Fernando Tavares Pereira, é necessário "respeitar o passado do Sporting" e "ter-se a hombridade de respeitar todos os presidentes que passaram pelo Sporting".

Questionado por um jornalista se inclui Bruno de Carvalho quando refere que iria contar com todos os sportinguistas, o candidato respondeu que "todos os sócios do passado ou do presente são bem vindos a Alvalade", resposta que motivou aplausos dos adeptos presentes na sala.

Sobre a atual comissão de gestão do clube e a escolha do presidente da SAD, Sousa Cintra, de contratar José Peseiro como treinador, Fernando Tavares Pereira afirmou que se "tem que dar o benefício a quem está neste momento a gerir o Sporting".

"Neste momento, temos que acreditar em quem lá está", acrescentou.

Relativamente à situação financeira do clube, Fernando Tavares Pereira explicou que opta por esperar pelos resultados da auditoria ao Sporting, referindo, no entanto, que pretende um clube "cumpridor e fiável".

Afirmando que é uma candidatura de fora para dentro, sublinhou que vai "tentar dar voz aos núcleos do Sporting" e "tentar fazer com que alguns núcleos possam integrar o Conselho Leonino do Sporting".

A candidatura de Fernando Tavares Pereira conta com o apoio do ex-presidente da Câmara de Loures, Carlos Teixeira, o ex-secretário de Estado Rui Barreiro, o antigo campeão mundial de kickboxing Fernando Fernandes e do antigo ciclista Marco Chagas.

No entanto, a sua lista não terá comissão de honra, porque o Sporting "é de todos, é dos ricos, é dos pobres, sejam pastores de ovelhas, doutores ou engenheiros".

Sobre o facto de ser uma candidatura fora de Lisboa, Fernando Tavares Pereira sublinhou que a candidatura é transversal a todo o país, destacando ainda o sacrifício maior dos sportinguistas fora da capital, que têm de fazer centenas de quilómetros para ver um jogo do clube.

Durante a apresentação, o candidato referiu que vai ter na próxima semana "todas as pessoas necessárias para que a lista esteja completa".

O empresário Pedro Madeira Rodrigues vai concorrer novamente à presidência do Sporting, sendo o terceiro a anunciar a intenção de se candidatar ao ato eleitoral agendado para 08 de setembro.

Fernando Tavares Pereira é o segundo nome, depois de Frederico Varandas, a oficializar a candidatura à presidência do Sporting. Nesta quinta-feira é a vez de Pedro Madeira Rodrigues.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.