André Simões: "O Benfica está na fase mais crítica da temporada"

O médio do AEK Atenas quer dedicar o triunfo diante dos encarnados a Hélder Lopes, que sofreu uma lesão grave.

André Simões, médio do AEK Atenas, admitiu que a partida desta terça-feira com o Benfica, a contar para a 2.ª jornada da Liga dos Campeões, será "difícil" porque a equipa portuguesa é uma equipa "bem organizada, bem trabalhada e habituada às provas europeias".

Apesar das dificuldades que prevê, o antigo jogador do Moreirense garantiu que o AEK quer "mostrar a potência" com que se tem exibido, assumindo a vontade de "desfrutar do jogo, mas também vencê-lo".

Nesse sentido, diz não esperar um Benfica "mais cauteloso" e explicou porquê: "Estão numa fase mais difícil da temporada. Após o empate com o Chaves, este jogo e o clássico que se segue... esta é uma fase difícil. Houve o abandono de Luisão e perderam Jardel por lesão, por isso esta é a fase mais crítica mas não esperamos facilidades por isso. O Benfica está habituado a fases menos boas, mas o AEK pode aproveitar."

O jogador de 28 anos deverá ser um dos titulares da equipa do AEK Atenas na partida com os encarnados, o mesmo não poderá dizer o outro português da equipa, Hélder Lopes, que sofreu uma lesão grave. "Ele já estava triste por não poder jogar. Tem uma lesão grave, vai ficar fora vários meses, que recupere rapidamente e bem. Falei com ele, está consciente do que tem de fazer, o clube já disse que iria ter um novo contrato para ele, o que foi um gesto bonito", adiantou, fazendo desde já uma promessa: "Desejo que possamos fazer um bom jogo para lhe dedicar o resultado, ainda para mais frente a uma equipa portuguesa contra quem ele queria muito jogar."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".