Andorra esteve 12 anos sem ganhar e está à beira de completar um ano sem perder

Melhor momento da seleção do país dos Pirenéus, que não sofre qualquer derrota desde que foi goleada na Letónia (0-4) a 10 de outubro do ano passado

Habituada não só a sucessivas derrotas como a sofrer sucessivas goleadas, a seleção de Andorra parece estar a viver um ponto de viragem. Depois de ter estado 12 anos e 132 dias sem vencer qualquer jogo, desde 13 de outubro de 2004 (1-0 à Macedónia) a 22 de fevereiro de 2017 (2-0 a São Marino), a equipa nacional do país dos Pirenéus não perde um encontro há quase um ano, desde 10 de outubro de 2017.

Desde a goleada sofrida na Letónia ante a seleção local (0-4) há mais de onze meses, os andorranos venceram o Liechtenstein em março (1-0), empataram a zero diante de Cabo Verde em junho, Emirados Árabes Unidos em agosto e Letónia a 6 de setembro e terminaram a receção ao Cazaquistão com uma igualdade a um golo, com os dois derradeiros duelos a contar para a recém-introduzida Liga das Nações da UEFA. "É um torneio que te dá a possibilidade de competir e melhorar, sobretudo aos da Liga D. Agora temos jogos assegurados e graças a isso podemos melhorar o nosso nível, tal como o Luxemburgo, Kosovo e Liechtenstein", consideraram o capitão Ildefons Lima e o selecionador Koldo Álvarez à Marca.

São Marino tirou peso de cima

Apesar de a série invicta ser relativa apenas a 2018, já tinham sido dados sinais positivos no ano passado, a começar pelo fim do jejum de 86 partidas consecutivas sem ganhar. "Ganhar foi como conquistar um torneio. Esta vitoria será um ponto de inflexão", tinha perspetivado o Ildefons, após ter marcado um dos golos com que Andorra bateu o São Marino - o outro foi de Cristian Martínez. "Tirámos um peso de cima. Um resultado positivo mudou tudo. Tirámos de cima esse fardo de 13 anos sem ganhar e desde então que melhorámos muito. Naquele jogo diante São Marino tínhamos toda a pressão do mundo. E tirámo-la de cima", acrescentou.

A esse triunfo, seguiu-se um empate caseiro com as Ilhas Faroé (0-0) e uma surpreendente vitória sobre a Hungria (1-0), antes do regresso à normalidade até ao final de 2017, com cinco derrotas consecutivas, aos pés de Qatar (0-1), Suíça (0-3), Ilhas Faroé (0-1), Portugal (0-2) e Letónia (0-4), as quatro últimas no apuramento para o Mundial 2018.

Agora, a série é francamente positiva, ao ponto de ser considerada à melhor fase de sempre da história da seleção Andorra. Afinal, só perdeu 8 dos últimos 13 encontros, não foi derrotada nos últimos cinco e sofreu apenas um golo em 455 minutos, um recorde histórico para os andorranos. "Temos os pés assentes no chão, mas também queremos desfrutar o momento", comentou Ildefons Lima, central que soma 115 internacionalizações e 11 golos por uma seleção pela qual se estreou em 1997. "Um ano sem perder era algo impensável até há muito pouco tempo. Já nos parecia um êxito não perder um jogo ou conseguir não perder em dois seguidos. Imaginem o que isto significa para nós", confessou.

"Agora corre bem tudo o que antes não corria"

A boa fase da seleção dos Pirenéus surpreende até o próprio selecionador, Koldo Álvarez, no cargo desde 2010. "Nunca pensámos que poderíamos chegar a este nível. Mas se revermos os jogos, apercebemo-nos que os resultados são merecidos", atenta o antigo guarda-redes, que revela mais alguns cuidados com a alimentação e horas de descanso depois da histórica vitória ante São Marino.

"Na realidade não houve grandes mudanças. Simplesmente agora corre bem tudo o que antes não corria. Antes não havia um avançado que esperasse um erro de um defesa do Cazaquistão e agora houve. E a bola ainda bateu no poste antes de entrar", frisou o técnico. "Mas é certo que agora cuidamos mais de alguns detalhes como a alimentação e as horas de descanso. Inclusivamente fizemos um estágio antes de jogar em casa com o Liechtenstein. Isso fortalece o grupo e acaba por ser muito importante", acrescentou o capitão, já a pensar em estender a onda a invicta. Os próximos desafios são as visitas a Geórgia e Cazaquisão em outubro.

Para trás, parecem já estar as humilhantes goleadas. Portugal, por exemplo, impôs um 7-1 em setembro de 2001 e um 6-0 em outubro de 2016. Mas as maiores derrotas de sempre dos andorranos foram ante a República Checa em junho de 2005 (1-8) e a Croácia em outubro de 2006 (0-7).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)